Publicidade

Correio Braziliense

Um terço dos jovens latino-americanos não dá importância ao coronavírus

Além disso, segundo pesquisa, apenas um terço marca todas as respostas corretas quando perguntado como o vírus é transmitido


postado em 04/06/2020 22:33

(foto: AFP / Pierre Michel Jean )
(foto: AFP / Pierre Michel Jean )
Um em cada três jovens na América Latina e o Caribe considera que não corre risco de se contagiar com o novo coronavírus, segundo uma pesquisa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), divulgada nesta quinta-feira (4) no Panamá.

"Aproximadamente um terço dos 10.500 jovens entrevistados na região acreditam que não correm risco de contrair a doença", destacou o Unicef.

Segundo esta agência da ONU, com sede regional no Panamá, é "preocupante" a falta de informação da juventude sobre os riscos de contágio pela COVID-19.

Além disso, apenas um terço marca todas as respostas corretas quando perguntado como o vírus é transmitido, segundo a pesquisa realizada com pessoas de 13 a 29 anos em 31 países latino-americanos por mensagens por SMS.

"Neste momento, não conhecer fatos reais sobre a pandemia põe em risco a vida dos jovens e suas famílias", disse Bernt Aasen, diretor regional do Unicef para a América Latina e o Caribe em um comunicado.

No entanto, "não se deve culpar os jovens por não estar informados", acrescentou Aasen, que considera "fundamental" que a informação sobre a pandemia seja acessível e atraente para esta parte da população "para que se sintam parte da solução, não do problema".

A América Latina sofre a ascensão da pandemia, com cerca de 1,2 milhão de contágios e 57.500 falecidos, sobretudo em Brasil, México, Peru, Equador, Chile e Colômbia.

A consulta também revelou que mais de 40% de todos os entrevistados mencionaram a mídia tradicional como sua principal fonte de informação sobre a COVID-19, 21% as redes sociais e 10% os serviços de mensagem instantânea.

O Unicef fez um apelo à mídia tradicional, às plataformas de redes sociais e às operadoras de celulares para intensificar sua cooperação e evitar a desinformação.

"Nos próximos dias e semanas, a participação dos jovens pode se tornar um catalisador na luta contra a pandemia na América Latina e no Caribe", disse Aasen. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade