Mundo

Tecido criado por brasileiros elimina o coronavírus

postado em 18/06/2020 04:06
Solução poderá ser usada na confecção de máscaras e roupas hospitalares

Cientistas brasileiros desenvolveram um tecido que consegue desativar o vírus Sars-CoV-2. A tecnologia é feita com micropartículas de prata e pode ser usada como matéria-prima para o desenvolvimento de equipamentos de proteção individual para profissionais da saúde. A pesquisa foi divulgada ontem pela agência de notícias da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A solução foi desenvolvida por pesquisadores da empresa paulista Nanox, que receberam apoio do Programa de Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), da Fapesp. Ela é composta por uma mistura de poliéster e de algodão, além de dois tipos de micropartículas de prata. Testes com amostras de tecido inativaram 99,9% das cópias do vírus da covid-19 em pouco tempo: entre dois e cinco minutos de contato.

;A quantidade de vírus que colocamos nos tubos em contato com o tecido é muito superior à que uma máscara de proteção é exposta e, mesmo assim, o material foi capaz de eliminar o vírus com essa eficácia. É como se uma máscara de proteção feita com o tecido recebesse um balde de partículas contendo o vírus e ficasse encharcada;, detalhou, à Agência Fapesp, Lucio Freitas Junior, pesquisador do laboratório de biossegurança de nível 3 do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo, e participante do estudo.

Antialérgico

Além de testes para avaliação da atividade antiviral, antimicrobiana e fungicida, o material foi submetido a experimentos que avaliaram seu potencial alérgico, fotoirritante e fotossensível. Dessa forma, os cientistas puderam eliminar os riscos de problemas dermatológicos. A próxima etapa do projeto vai avaliar a duração do efeito antiviral no tecido ; testes mostraram que a propriedade bactericida se mantém após 30 lavagens.

Em outra frente, os criadores começam a definir estratégias para o uso da tecnologia além dos laboratórios. ;Já entramos com o pedido de depósito de patente da tecnologia e temos parcerias com duas tecelagens no Brasil que vão utilizá-la para a fabricação de máscaras de proteção e roupas hospitalares;, contou, também à Agência Fapesp. Luiz Gustavo Pagotto Simões, diretor da Nanox. O desenvolvimento do material também contou com a colaboração de pesquisadores da Universitat Jaume I, na Espanha.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação