Mundo

Argentina desenvolve soro terapêutico para tratar pacientes com covid-19

O soro é similar aos usados para tratar o envenenamento por picadas de cobras e escorpiões, intoxicações por toxina tetânica, exposição ao vírus da raiva e infecções como a gripe aviária

Agência France-Presse
postado em 18/06/2020 08:59
Frascos em laboratório.Pesquisadores argentinos desenvolveram um soro terapêutico que, em testes em laboratório, demonstrou capacidade para neutralizar o vírus SARS-Cov-2, causador da covid-19, anunciou o governo nesta quarta-feira (17/6).

"Trata-se de um soro hiperimune anti-covid-19 para imunização passiva", explicaram as autoridades em um comunicado. Com este resultado, o laboratório Inmunova, que participa do projeto, iniciará em breve a fase de testes clínicos com pacientes.

A imunização passiva consiste em administrar anticorpos em pacientes contra o agente infeccioso para produzir seu bloqueio e evitar que se espalhe.

O soro é similar aos usados para tratar o envenenamento por picadas de cobras e escorpiões, intoxicações por toxina tetânica, exposição ao vírus da raiva e infecções como a gripe aviária, explica a nota oficial.

Em seu desenvolvimento usou-se como antígeno uma proteína recombinante do vírus para obter anticorpos policlonais. O soro produzido contém grande quantidade destes anticorpos com capacidade neutralizante, que poderia evitar a entrada do vírus nas células, que é onde se multiplica.

Trata-se do primeiro potencial medicamento para tratar pacientes com covid-19 desenvolvido na Argentina, fruto de um trabalho conjunto dos setores público e privado.

Cooperam no projeto o laboratório Inmunova, juntamente com o Instituto Biológico Argentino (BIOL), a Administração Nacional de Laboratórios e os Institutos de Saúde Dr. Malbrán, com a colaboração da Fundação Instituto Leloir (FIL), Mabxience e o Conselho Nacional de Ciência e Técnica (Conicet), bem como a Universidade Nacional de San Martín.

Atualmente, está sendo avaliado outro método de imunização passiva, que é a aplicação de plasma de convalescentes com anticorpos gerados por estes pacientes recuperados, à espera do desenvolvimento a longo prazo de uma vacina.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação