Mundo

Ryan Lochte fala sobre escândalo nas Olimpíadas do Rio: "Fui idiota"

O nadador abordou sobre o assunto em trailer do documentário "In Deep With Ryan Lochte", que vai ao ar em 15 de julho

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 25/06/2020 22:49
O nadador abordou  sobre o assunto em trailer do documentário Em documentário que vai ao ar em 15 de julho, o nadador Ryan Lochte falou sobre o escândalo com a polícia durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016. No trailer de In Deep With Ryan Lochte, divulgado nesta quinta-feira (25/6), ele diz que o incidente poderia ter acabado com a sua vida, porque foi "idiota".

O americano foi suspenso da natação por meses após escândalo durante os Jogos do Rio, quando foi descoberto que ele inventou uma história sobre um assalto durante um episódio de embriaguez.

Em outro trecho do trailer divulgado ele afirma: "Eu fui de ganhar milhões para absolutamente nada. A pessoa que eu sou hoje, se visse aquele Ryan, daria uma surra nele".

Ele também sofreu uma sanção adicional da Agência Antidoping dos Estados Unidos por tomar uma infusão intravenosa proibida de vitaminas em maio de 2018 e retornou no ano passado para dar início a sua última aventura olímpica depois de passar por um tratamento de abuso de álcool e começar uma família com a mulher, Kayla. O casal tem dois filhos.

[VIDEO1]

Relembre o caso

Durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, Ryan Lochte inventou que ele e outros dois nadadores americanos teriam sido assaltados após uma festa. No entanto, ao investigar a denúncia, a polícia descobriu que Lochte mentiu.

Imagens da câmera de segurança de um posto de combustíveis na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, mostraram que os nadadores, na verdade, depredaram um banheiro do estabelecimento e discutiram com os funcionários. Um segurança armado repreendeu os americanos e mandou que sentassem no chão.

O caso mudou de rumo e a Polícia Civil passou a investigar o nadador por falsa comunicação de crime. À época, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) sugeriu que o americano pagasse R$ 70 mil em cestas básicas, mas a defesa de Lochte conseguiu um habeas corpus.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação