Publicidade

Correio Braziliense

Além da Mongólia, peste negra mata 6 no Congo; Nos EUA, vítimas são pumas

Autoridades de saúde registram 31 casos em humanos até esse início de julho e trabalham com contenção da doença


postado em 04/07/2020 14:19 / atualizado em 04/07/2020 14:22

Casos de peste bubônica estão comumente associados ao consumo, manipulação ou contato indevido com animais, especialmente roedores; no caso da Mongólia, últimos casos tiveram ligação com marmotas(foto: Creative commons)
Casos de peste bubônica estão comumente associados ao consumo, manipulação ou contato indevido com animais, especialmente roedores; no caso da Mongólia, últimos casos tiveram ligação com marmotas (foto: Creative commons)
Apesar do isolamento imposto na região de Khovd, na Mongólia, após o registro de dois casos de peste bubônica, esta anos, é o Congo que tem mais sofrido com a doença no mundo. Até o último boletim emitido pela Sociedade Internacional de Doenças Infecciosas, a ProMed, na semana passada, um total de 29 casos foram confirmados no país, que já registra 6 mortos até então. Os casos todos foram verificados na região de Djugu e se espalhou para um total de 10 vilas. Os auxílios de saúde internacionais alegam que o controle e verificação real da doença é prejudicado pela presença de milícias na área, que impedem a locomoção livre de profissionais. Diversas mortes de ratos nas redondezas dos locais onde a doença foi confirmada indicam que, sem intervenções, a situação de disseminação da doença pode piorar em breve. 

Apesar da crença coletiva que o mundo se livrou da peste bubônica, também conhecida como peste negra por ser capaz de matar dentro de 24h, autoridades de saúde vêm lidando com a doença ano após ano com protocolos de isolamento e tratamento rápidos, como o registrado essa semana na Mongólia, onde dois casos foram confirmados. Cerca de 500 pessoas da região de Khovd foram isoladas desde a última quarta-feira (1/7). Como a mais recente, as últimas ocorrências estão associadas ao consumo indevido de carne de marmota. As últimas mortes pela doença no país foram registradas em 2019 e 2009, segundo arquivos da ProMed.

 
Registros no "primeiro mundo" 


Mesmo em países desenvolvidos como os Estados Unidos, a doença ainda se manifesta. O contágio é raro e sempre se dá pela interação com animais. De acordo com a ABCNews, desde o ano 200, o CDC, órgão de controle de doenças em território norte-americano, registrou uma sequência de um a 17 casos por ano da peste negra. Ainda segundo o veículo, o último caso de contágio humano foi de uma criança no estado de Idaho, em 2018.

De acordo com estudo da Enviromental Conservation, a doença foi registrada nos Estados Unidos em 2020, mas em pumas, também conhecidos como leões da montanha do estado de Wyoming. De 28 felinos testados, 12 carregavam a doença. O contato entre esses animais e humanos é raro, mas anúncios foram realizados no Parque Nacional de Yellowstone a escoteiros e praticantes de camping, uma vez que há o registro de uma infecção pela doença em 2008, nesse mesmo local.

Diferentemente do que foi registrado na Idade Média, quando a peste dizimou cerca de 50 milhões de vidas, a doença atualmente é controlada e uma nova epidemia é completamente improvável. Entre 2010 e 2015, segundo a própria Organização Mundial de Saúde, foram registrados 3.248 casos da doença, com 584 mortes confirmadas. A doença ainda é considerada endêmica no Congo, Madagascar e no Peru, sempre associada a manipulação ou interações com animais, especialmente roedores - em outras palavras, não há motivos para preocupação excessiva em nível global.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade