Mundo

Opas deseja rápida recuperação a Bolsonaro e pede fortalecimento de medidas

Espinal enfatizou que o pacote de medidas recomendado pela OPAS, que inclui diretrizes para distância física entre pessoas, uso de máscara e lavagem constante das mãos, ''demonstrou funcionar''

Agência France-Presse
postado em 07/07/2020 15:04
 (foto: AFP / Alina DIESTE)
(foto: AFP / Alina DIESTE)
Espinal enfatizou que o pacote de medidas recomendado pela OPAS, que inclui diretrizes para distância física entre pessoas, uso de máscara e lavagem constante das mãos, ''demonstrou funcionar''A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) pediu nesta terça-feira ao Brasil, o segundo país do mundo mais afetado pela pandemia de COVID-19, que fortaleça as medidas para conter o vírus, depois de desejar uma "rápida recuperação" ao seu presidente, Jair Bolsonaro, que está infectado.

"A OPAS gostaria de desejar ao presidente uma rápida recuperação", disse Marcos Espinal, diretor de doenças transmissíveis da OPAS, escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), em entrevista coletiva.

Espinal destacou que o fato de Bolsonaro ter dado positivo no teste de diagnóstico mostra que o vírus "não respeita raças ou pessoas poderosas", e lembrou os contágios do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e do presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, ambos já recuperados.

"Portanto, é importante que, independentemente de o presidente ser afetado, o país continue a fortalecer medidas. Aqui está um exemplo de que ainda não estamos controlando completamente esse vírus", acrescentou em relação ao Brasil.

[SAIBAMAIS]Espinal enfatizou que o pacote de medidas recomendado pela OPAS, que inclui diretrizes para distância física entre pessoas, uso de máscara e lavagem constante das mãos, "demonstrou funcionar".

Bolsonaro, 65 anos, anunciou nesta terça-feira que está infectado, mas afirma ter sintomas leves.

Mesmo antes de a OMS declarar o novo coronavírus uma pandemia global em meados de março, Bolsonaro minimizou a gravidade da doença, que ele descreveu como "gripezinha", participou de eventos públicos sem usar máscara e questionou as medidas de isolamento social implementadas em vários estados.

A diretora da OPAS, Carissa Etienne, disse que o Brasil atualmente representa cerca de um quarto dos novos casos nas Américas, o atual epicentro da pandemia, com os Estados Unidos sendo o país mais afetado do mundo.

"Dois meses atrás, os Estados Unidos representavam 75% dos casos em nossa região. Na semana passada, registraram menos da metade dos casos na região, enquanto a América Latina e o Caribe registraram mais de 50% dos casos, e apenas o Brasil foi responsável por cerca de um quarto deles", afirmou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação