Mundo

Erro de ajuste em radar provocou derrubada de avião ucraniano no Irã

Tragédia deixou 176 mortos em janeiro perto de Teerã. Naquela noite, defesa aérea da República Islâmica estava em alerta máximo pelo temor de um ataque dos Estados Unidos

Agência France-Presse
postado em 12/07/2020 15:39
Tragédia deixou 176 mortos em janeiro perto de Teerã. Naquela noite, defesa aérea da República Islâmica estava em alerta máximo pelo temor de um ataque dos Estados Unidos Uma falha humana que levou a um ajuste equivocado de um radar militar é o "elemento chave" que provocou a derrubada do Boeing ucraniano em 8 de janeiro perto de Teerã, uma tragédia que deixou 176 mortos, afirma um documento da Organização da Aviação Civil (CAO) iraniana.

Naquela noite, a defesa aérea da República Islâmica estava em alerta máximo pelo temor de um ataque dos Estados Unidos.

O Irã acabara de atacar com mísseis uma base utilizada pelo exército americano no Iraque em resposta à morte alguns dias antes, em um ataque dos Estados Unidos com drone em Bagdá, do general Qasem Soleimani, comandante da estratégia regional iraniana, e esperava uma resposta.

"Houve uma violação provocada por uma falha humana durante o procedimento de calibrar um sistema de radar, induzindo a um erro de 107 graus no sistema, o que fez com que não captasse corretamente a trajetória dos objetos em seu campo", indica o relatório, publicado no sábado à noite.

Este erro inicial "é a origem de uma cadeia perigosa (de acontecimentos) que evidentemente poderia ter sido controlada se outras medidas fossem adotadas".

Mas, segundo o documento da CAO, que é apresentado como um "informe sobre os fatos" e não como um relatório final da investigação, uma série de erros foram registrados nos minutos fatais.

A CAO destaca que apesar das informações equivocadas disponíveis sobre a trajetória do avião, o operador do sistema de radar teria condições de identificar que o alvo era um avião comercial, mas também aconteceu uma "identificação ruim".

O informe também destaca que o primeiro míssil disparado contra o avião foi ativado pelo operador de uma bateria de defesa "sem que este tenha recebido a resposta do centro de coordenação" do qual dependia.

Trinta segundos depois, o segundo míssil foi disparado, seguindo "a trajetória do alvo detectado".

O voo PS-752 da companhia Ukraine International Airlines que viajava entre Teerã e Kiev foi derrubado em 8 de janeiro.

As 176 pessoas que viajavam na aeronave, em sua maioria iranianos e canadenses, e 11 ucranianos, nove deles membros da tripulação, morreram na catástrofe.

Caixas-pretas

A tragédia provocou uma forte reprovação no Irã, depois que as Forças Armadas demoraram três dias para reconhecer que derrubaram o avião "por engano", já que o operador acreditou que era um míssil.

Há vários meses, Canadá e Ucrânia pedem o envio das caixas-pretas do avião ao exterior para os dados sejam extraídos e analisados.

O ministro canadense das Relações Exteriores, François-Philippe Champagne, pediu neste domingo ao Irã que garanta "uma investigação exaustiva e transparente de acordo com as normas internacionais para que todos os responsáveis prestem contas".

No fim de junho, o Escritório de Investigação e Análises (BEA) francês afirmou que o Irã "pediu oficialmente assistência técnica" para reparar e obter os dados das caixas-pretas.

Os trabalhos sobre o "Cockpit Voice Recorder" (CVR), que registra as conversas entre os pilotos e o som ambiente na cabine de controle, e o "Flight Data Recorder" (FDR), que registra todos os parâmetros de voo (velocidade, altitude, regime de motores, trajetória, etc), devem começar em 20 de julho, de acordo com o BEA.

No início de julho, o Canadá anunciou que obteve do Irã um acordo de princípio para o início de negociações para a indenização das famílias das vítimas estrangeiras.

Segundo o Canadá, o "grupo de coordenação" dos países cujos cidadãos morreram ali (Canadá, Reino Unido, Ucrânia, Suécia e Afeganistão) assinou um "protocolo de entendimento" para abrir a via formal às negociações com o Irã.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação