Mundo

Recorde de contágios

Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou, entre sábado e ontem, 230.370 novos casos de covid-19. Em aceleração, pandemia leva Espanha e África do Sul a retomarem medidas de confinamento. Estados Unidos, Brasil e Índia somam o maior número de infecções

postado em 13/07/2020 04:04
Policial da Catalunha em posto de controle perto de Lérida: bloqueio

Entre sábado e ontem, 230.370 pessoas contraíram o novo coronavírus em todo o mundo ; recorde de infecções diárias registrado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Até o fechamento desta edição, os números de contágios e de mortes chegavam, respectivamente, a 12.866.958 e a 568.003. Estados Unidos (3.302.194), Brasil (1.864.681) e Índia (849.553) figuram entre as nações com mais casos de covid-19. A quantidade de óbitos a cada 24 horas se mantém estável no patamar dos 5 mil. Com a pandemia em aceleração, países e estados que ensaiaram uma reabertura das atividades econômicas viram-se forçados a retornar ao isolamento.

A África do Sul decidiu impor toque de recolher noturno e suspender a venda de álcool, em meio a uma recidiva do novo coronavírus. ;À medida que avançamos para o pico de infecções, é vital não sobrecarregar nossas clínicas e hospitais com lesões associadas ao álcool, que poderiam ter sido evitadas;, declarou o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa. O país soma 264.184 casos de covid-19 e 4.079 mortes.

As autoridades da Catalunha (nordeste da Espanha) também ordenaram que 200 mil habitantes da cidade de Lérida cumpram confinamento obrigatório. ;Há um problema de contágios na cidade em decorrência do alto número de trabalhadores na colheita de frutas da estação. Também não temos instalações de saúde suficientes e muitos desses trabalhadores, apesar de sintomáticos, não estão sendo acompanhados;, disse ao Correio o professor Fabio Fernández, 29 anos, morador de Lérida. ;A partir desta noite, hotéis e restaurante deverão permanecer fechados. A circulação de pessoas somente estará permitida para trabalho, atividades essenciais e prática esportiva.; Também em Lérida, Robert Masip, 45, professor do ensino primário, contou que mais sete cidades terão de respeitar a quarentena. ;O governo espanhol nada fez para solucionar o problema dos imigrantes que chegaram à região. Agora, a Catalunha toma medidas drásticas;, afirmou à reportagem.

Nos Estados Unidos, a Flórida também registrou um recorde: 15.229 contágios pelo novo coronavírus em um dia, superando a marca da Califórnia, de 11.694, na última quarta-feira. O governador da Flórida, o republicano Ron DeSantis, antecipou-se a outros estados norte-americanos e reabriu a economia em 4 de maio. Entre terça-feira e ontem, mais de 55,8 mil pessoas foram diagnosticadas com o Sars-CoV-2, o vírus causador da covid-19.

Coordenador na Flórida da organização United We Dream, a maior rede de imigrantes jovens dos EUA, Thomas Kennedy submeteu-se a um teste de diagnóstico exatamente uma semana atrás e ainda aguarda o resultado. ;Estou com uma leve tosse, nada sério. Mas eu quis saber se estou com covid-19, pois o estado teve mais de 15 mil casos somente hoje (ontem);, contou à reportagem. ;O governador não levou a pandemia a sério. Demorou demais para fechar as coisas e as reabriu muito cedo. Também não exigiu o uso de máscaras em todo o estado;, acrescentou Kennedy.

Em entrevista ao Correio, Mark Schleiss, pesquisador do Instituto de Virologia Molecular da Universidade de Minnesota, afirmou ao Correio que considera impressionante o fato de alguns países terem ignorado a ciência e transformado a pandemia em assunto político. ;Descartar a importância da informação científica é uma atitude desdenhosa e condescendente que revela desprezo por cientistas, médicos, epidemiologistas e pesquisadores. A falta de empatia e de respeito à vida humana, por parte de líderes, é evidente. Nos EUA, por exemplo, algumas autoridades sugerem que a morte é o preço a ser pago para manter a economia aberta. Quem somos nós para julgar quais pessoas deveriam ser descartadas e abandonadas para morrer? Já temos perto de 600 mil mortes, e haverá mais de 1 milhão até o fim do verão. O vírus é letal;, advertiu.

De acordo com Schleiss, o Sars-CoV-2 é uma nova cepa de vírus, com a qual a população mundial não possui ;experiência imunológica;. ;Outra questão se trata do código genético do novo coronavírus. Ele surgiu com a capacidade única de infectar células liberando um receptor de vírus chamado ACE2, o qual provoca grandes danos ao corpo, principalmente aos pulmões. Além disso, a resposta imune do hospedeiro é muito grave e uma das principais fontes de perigo da infecção;, comentou. O especialista adverte que, por ser um dos vírus mais infecciosos já descobertos, o distanciamento social e o uso de máscaras são cruciais.


;Nunca fui contra máscaras;
Na tarde de sábado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apareceu em público usando uma máscara, pela primeira vez. O republicano visitou o hospital militar Walter Reed, em Bethesda (Maryland). Pouco depois, ao retornar à Casa Branca, Trump foi confrontado por jornalistas, que o questionaram sobre a mensagem por trás do uso da máscara. ;Eu provavelmente terei uma máscara. Quando você está em um hospital, especialmente daquele tipo, onde você fala com vários soldados e pessoas que acabaram de sair da sala de cirurgia, acho ótimo usar máscara. Nunca fui contra máscaras, mas acredito que elas têm hora e lugar;, disse o magnata.


Eu acho...

;Temos visto que 60% dos 12 milhões de casos de infecção no mundo, desde o começo da pandemia, ocorreram em junho. É um sinal claro de que a pandemia está se acelerando, principalmente em países liderados por políticos que optaram por ignorar as medidas de saúde públicas projetadas para limitar a propagação do coronavírus. Mais de 160 mil casos são relatados todos os dias. Considero a questão de grande urgência global.;

Mark Schleiss, professor de pediatria e pesquisador do Instituto de Virologia Molecular da Universidade de Minnesota (EUA)


Lockdown de duas semanas na Cisjordânia

A Autoridade Palestina impôs, ontem, toque de recolher noturno e nos fins de semana na Cisjordânia (foto), com o objetivo de conter o aumento da disseminação do novo coronavírus. ;As viagens ficarão proibidas das 20h às 6h em todas as províncias;, assim como da noite de quinta-feira à manhã de domingo, anunciou Ibrahim Melhem, porta-voz do governo palestino. As principais cidades ; Ramallah, Hebron, Nablus e Belém ; ficarão completamente confinadas até a noite de quinta-feira. Apenas farmácias e padarias terão autorização de funcionamento. ;É estritamente proibido organizar casamentos, funerais e festas;, disse Melhem, acrescentando que os palestinos também foram impedidos de trabalhar em assentamentos israelenses.
O governo palestino admite 6.150 casos de covid-19 e 33 mortes.


Hungria veta acesso de turistas latino-americanos

A Hungria proibirá, a partir de amanhã, a entrada em seu território de turistas procedentes de países latino-americanos, africanos, da maioria dos asiáticos e de alguns europeus. ;Temos que preservar nossa segurança para que o vírus não entre a partir do exterior. A taxa de infecção em nosso país é baixa e queremos que continue assim;, afirmou o chefe de gabinete do primeiro-ministro Viktor Orban (foto), Gergely Gulyas. Os países da África, América Latina e Ásia, com exceção de China e Japão, serão afetados. Na Europa, a proibição inclui Albânia, Bósnia, Macedônia do Norte, Kosovo, Belarus, Montenegro e Ucrânia. Os residentes húngaros procedentes destes países poderão retornar para casa, mas serão submetidos a um teste de diagnóstico e a uma quarentena de duas semanas, explicou Gulyas.


Aiatolá pede ao povo iraniano para salvar o país

O aiatolá Ali Khamenei (foto), guia supremo do Irã, classificou como ;verdadeira tragédia; a epidemia de covid-19 e exortou a população a respeitar as normas sanitárias e ;salvar o país;. Até o fechamento desta edição, o Irã contabilizava 257.303 casos e 12.829 mortes ; a nação mais afetada pela pandemia no Oriente Médio. ;Que cada um contribua com seu grão da melhor maneira para romper a cadeia de transmissão a curto prazo e salvar o país;, declarou o aiatolá Ali Khamenei em uma videoconferência com deputados. Ele elogiou os profissionais da saúde por seus ;sacrifícios; e criticou ;algumas pessoas que não cumprem algo tão simples como usar a máscara; para impedir a propagação do vírus e cujo comportamento provoca ;vergonha;. Khamenei, inclusive, colocou a máscara durante o discurso.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação