Mundo

Interagindo nos hospitais

postado em 13/07/2020 04:04
Robin foi projetado para interagir com crianças internadas, ajudando a aliviar medos e estresse
;Oi! Você quer cantar uma música comigo?; Com seus grandes olhos e um corpo elegante, Robin, o robô, tem um visual agradável e amigável para crianças ; ele parece um personagem animado da Pixar ; e está ansioso para interagir com pacientes pediátricos. O objetivo: aliviar a ansiedade e a solidão durante uma internação hospitalar.

A tecnologia de aprendizado emocional que permite que Robin se envolva realisticamente com crianças é ainda mais essencial na era de pandemia da covid-19, quando o isolamento físico se tornou mais impactante para crianças doentes, principalmente aquelas cujos sistemas imunológicos estão comprometidos.

Mas embora o isolamento físico seja necessário, o sentimento de estar isolado não é, diz Justin Wagner, cirurgião pediátrico do Hospital Infantil da Universidade da Califórnia em Los Angeles e colíder do projeto Robin. ;Os sentimentos negativos são ainda mais fortes durante esse período;, observa. ;Esperamos integrar Robin como membro da equipe, aumentando nossa capacidade de proporcionar às crianças contato, atenção e companhia.;

Memória associativa

O sistema de inteligência artificial foi desenvolvido pela Expper Technologies, uma startup no Vale do Silício com origem em Yerevan, na Armênia. A tecnologia de Robin permite que o robô construa o que é chamado de memória associativa ; reconhece as emoções de uma criança interpretando suas expressões faciais e constrói um diálogo responsivo, replicando padrões formados a partir de experiências anteriores.

Espera-se que Robin comece a andar pelos corredores do hospital ainda neste mês, quando começará o período de treinamento de um ano. Durante esse tempo, ele será operado remotamente por um especialista do Programa de Vida Infantil Chase do hospital. O especialista fornecerá a voz de Robin e controlará as ações e as expressões do robô, à medida que a máquina vai ;aprendendo; como responder às necessidades de crianças e famílias.

;Essa é uma ferramenta para fornecer suporte aos nossos pacientes jovens;, diz Kelli Carroll, diretora do programa. ;Enquanto nossas intervenções tradicionais estão em pausa durante a pandemia, permanece a necessidade de preparar, educar e fornecer distração comportamental para as crianças. Robin ajudará nossos especialistas a fazer isso.;

Além de fornecer suporte emocional para pacientes pediátricos, Robin será objeto de um estudo de uma equipe multidisciplinar de médicos e especialistas em comportamento que avaliará o impacto do robô em crianças e famílias. O objetivo é determinar até que ponto essa nova tecnologia ajuda crianças e pais a lidarem com o estresse de ser hospitalizado.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação