Publicidade

Correio Braziliense

Seul celebra funeral de prefeito apesar de protestos

Apesar da polêmica sobre sua morte, o governo municipal de Seul organizou um funeral de cinco dias para Park


postado em 13/07/2020 09:06 / atualizado em 13/07/2020 09:16

(foto: JUNG YEON-JE/AFP)
(foto: JUNG YEON-JE/AFP)
Seul, Coreia do Sul - O funeral do prefeito de Seul, Park Won-soon, que cometeu suicídio depois de ser acusado de assédio sexual, aconteceu nesta segunda-feira (13), apesar de uma petição assinada por 500.000 pessoas contra a cerimônia organizada pela prefeitura.

Ex-advogado dos direitos humanos, Park foi uma figura importante do governante Partido Democrata e governou Seul, que tem quase 20% da população do país, durante quase uma década.

Park foi encontrado morto em uma montanha na sexta-feira, um dia depois de uma ex-secretária ter apresentado uma denúncia contra ele à polícia, aparentemente por assédio sexual.

Apesar da polêmica sobre sua morte, o governo municipal de Seul organizou um funeral de cinco dias para Park (dois a mais que o ritual coreano tradicional, que começa no dia da morte) e instalou um altar em homenagem ao falecido fora da prefeitura.

Mais de 20.000 pessoas prestaram homenagem durante o período de luto. Durante a cerimônia desta segunda-feira, sua filha declarou: "Eu podia sentir a alegria do meu pai em conhecer os cidadãos, um a um".

Mas uma petição on-line contrária à cerimônia, organizada no site oficial da presidência, recebeu mais de 500.000 assinaturas. "O público deve assistir o elegante funeral de cinco dias de um político poderoso que tirou a vida por acusações de assédio sexual?", questionava a petição.

"Que tipo de mensagem estão tentando enviar?", completava a campanha. Park é o político de maior destaque envolvido em um caso de assédio na Coreia do Sul, uma sociedade muito patriarcal onde o movimento #MeToo ganhou força nos últimos dois anos.

O presidente Moon Jae-in enviou flores ao funeral e seu chefe de gabinete compareceu à cerimônia, assim como outros líderes do Partido Democrata (centro-esquerda).

Mas nem o líder interino do partido conservador de oposição United Future nem o principal nome do centrista Partido Popular, Ahn Cheol-soo, compareceram ao funeral. 

Quase 100 pessoas acompanharam o ofício - onde o número era limitado devido à pandemia de coronavírus - nesta segunda-feira, último dia do funeral. O corpo de Park será cremado e as cinzas serão levadas para sua cidade natal, na província de Gyeongsang do Sul.

A morte de Park significa que a investigação do caso de assédio sexual termina automaticamente. Seus partidários tentaram identificar a mulher que apresentou a acusação, a quem culpam pelo suicídio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade