Mundo

Protesto por gasolina na Venezuela acaba com um morto e um ferido

Esta é a segunda morte em protestos por falta de combustível neste mês na Venezuela, afetada pelo colapso dos serviços públicos e por uma escassez crônica de gasolina

Agência France-Presse
postado em 26/07/2020 20:26

Vendedor ambulante oferece gasolina para venda nas ruas da VenezuelaCaracas, Venezuela - Um homem morreu e outro ficou ferido durante "confrontos violentos" com os militares por falta de gasolina em uma cidade no leste da Venezuela, informaram neste domingo uma organização de direitos humanos e a procuradoria.

Carlos Chaparro, 47 anos, morreu "durante um protesto contra irregularidades com a venda de gasolina" em Aragua de Barcelona, uma população de cerca de 39.000 habitantes, no estado de Anzoátegui (leste), informou no Twitter a ONG de direitos humanos Observatório Venezuelano de Conflitos Sociais (OVCS).


O OVCS divulgou um vídeo em que um grupo de pessoas é visto junto a membros das forças armadas da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) em uma praça, onde detonações são ouvidas e depois aparece um homem deitado no chão, que acaba sendo carregado para um caminhão. O procurador-geral, Tarek William Saab, confirmou a morte no Twitter e denunciou outra pessoa ferida em "confrontos violentos (...) entre civis e funcionários do GNB", pelos quais nomeou procuradores a fim de esclarecer os eventos que aconteceram no sábado.

[SAIBAMAIS]Mais tarde, a Saab anunciou na mesma rede social a prisão de seis pessoas, incluindo quatro soldados. Um capitão é listado como "supostamente responsável" pelo evento. A mídia local apoiada por declarações de testemunhas, informou que o protesto surgiu depois que um grupo de pessoas que há "17 dias na fila" para abastecer "ficou enfurecido" quando os militares permitiram outros veículos que não estavam na espera estocar gasolina.

Esta é a segunda morte em protestos por falta de combustível neste mês na Venezuela, afetada pelo colapso dos serviços públicos e por uma escassez crônica de gasolina. Em 17 de julho, um garoto de 18 anos morreu de um ferimento a bala em uma ilha no estado de Zulia (oeste, na fronteira com a Colômbia), em um protesto por escassez de combustível.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação