Mundo

Ex-premiê malaio Najib Razak é condenado a 12 anos de prisão por corrupção

O ex-líder da Malásia foi condenado por acusações de corrupção ligada ao escândalo de 1 bilhão de dólares que levou à queda de seu governo há dois anos

Agência France-Presse
postado em 28/07/2020 10:12
O ex-primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, acena ao deixar o complexo do Tribunal de Duta depois que ele foi considerado culpado em seu julgamento por corrupção em Kuala Lumpur em 28 de julho de 2020.O ex-primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, foi condenado, nesta terça-feira (28/7), a 12 anos de prisão, depois de ser considerado culpado de todas as acusações em seu primeiro julgamento pelo escândalo de corrupção do fundo 1MDB.

O Supremo Tribunal de Kuala Lumpur também ordenou o pagamento de uma multa de 210 milhões de ringits (US$ 49 milhões) por sua responsabilidade nos saques do fundo soberano 1Malaysia Development Berhad (1MDB), uma fraude multimilionária com ramificações em vários países.

Najib Razak, de 67 anos, questiona a decisão e terá direito de continuar em liberdade sob fiança durante o longo processo de apelação.

"Depois de examinar todas as evidências desse processo, considero que a Promotoria argumentou com sucesso o seu caso", disse Mohamad Nazlan Mohamad Ghazali, juiz do tribunal.

Parte dos fundos desviados por Najib Razak foi supostamente usada para financiar o filme "O Lobo de Wall Street", estrelado por Leonardo DiCaprio. O banco Goldman Sachs também se viu envolvido no caso.

O descontentamento dos malaios com esses saques foi um fator essencial na inesperada derrota eleitoral de 2018 da coalizão liderada por Najib Razak, que detinha as rédeas do governo desde 2009.

O veredicto era um teste de força para o Estado de Direito da Malásia, quando o partido de Najib Razak voltou ao poder em março, após a queda de uma coalizão reformista. Alguns temem que essa mudança de governo afete o processo.

Este primeiro julgamento, iniciado há 16 meses, focou-se na transferência de 42 milhões de ringits (US$ 9,9 milhões) da SRC International, uma entidade do fundo, para contas bancárias de Najib Razak.

O ex-primeiro ministro rejeitou todas as acusações.

Mas o juiz negou todos os seus argumentos e o declarou culpado por sete acusações, incluindo abuso de poder, abuso de confiança e lavagem de dinheiro.

Se sua condenação for confirmada, ficará afastado por muitos anos de qualquer cargo no serviço público.

Najib Razak afirma que não sabia nada sobre essas transferências de dinheiro. Seus advogados retrataram o ex-primeiro ministro como uma vítima e apontaram o financista malaio Low Taek Jho como o principal culpado e "mentor" dos saques.

Uma grande multidão de apoiadores de Najib Razak esperou por ele em sua chegada à corte nesta terça-feira, muitos vestidos de vermelho, a cor de seu partido, UMNO (Organização Nacional Unificada da Malásia).

O retorno da UMNO ao poder não parece ter afetado esse julgamento em particular, mas teve um impacto na justiça, como o caso de Riza Aziz, genro do ex-primeiro-ministro e um dos produtores de "O Lobo de Wall Street", encerrado no âmbito de um acordo com a Promotoria.

A Promotoria também retirou várias dezenas de acusações contra um aliado de Najib Razak, Musa Aman, ex-líder do estado de Sabah.

As quantias de dinheiro neste primeiro processo são modestas em comparação com as que aparecem no segundo, o mais importante, que cobre mais de 500 milhões de dólares.

Najib Razak é objeto de um terceiro processo vinculado ao fundo 1MDB.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação