Mundo

Tempestade chega à costa da Flórida, que ensaia resposta em meio à pandemia

Tempestade tropical Isaías chegou com força reduzida depois de atingir as Bahamas como um furacão de categoria 1

Agência France-Presse
postado em 03/08/2020 09:51
Nuvens de tempestade são vistas sobre a cidade quando o furacão Isaias se aproxima da costa leste da Flórida, em Miami, Flórida.A tempestade tropical Isaías cercava a costa leste da Flórida no domingo (2/8), sem ameaças de se tornar um furacão, uma possibilidade que pressionou a capacidade de resposta do estado americano em meio à pandemia.

O fenômeno chegou com força reduzida depois de atingir as Bahamas como um furacão de categoria 1, soprando com ventos máximos sustentados de 110 km/hora e movendo-se lentamente para o norte a 13 km/hora.

Às 20h00 (21h00 de Brasília), a tempestade estava a 90 quilômetros do centro espacial de Cabo Canaveral, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC).

"Nenhuma mudança em sua força é esperada para os próximos dias", anunciou a instituição em seu último boletim.

"Parece que estamos bem, embora não declaremos ;missão cumprida; até que se vá", disse o diretor do escritório estadual de gerenciamento de emergências, Jared Moskowitz.

O episódio serviu como uma simulação de como lidar com um desastre meteorológico, enquanto o estado tenta conter a pandemia, que se dissemina sem controle: cerca de um em cada 44 habitantes testou positivo para o coronavírus na Flórida.

Ensaiando protocolos
"Este foi realmente um bom teste dos protocolos e procedimentos que implementamos no estado da Flórida para lidar com a temporada de furacões com a covid-19", disse Moskowitz.

No caso de um furacão, os residentes costeiros são chamados a se desalojarem. Os que não têm para onde ir vão para abrigos montados em ginásios escolares. Lá, dezenas e às vezes centenas de pessoas dormem em colchonetes no chão até a tempestade passar.

Esse é um cenário de horror no novo mundo imposto pelo coronavírus.

Moskovitz explicou que, por exemplo, hotéis - praticamente vazios devido à pandemia - foram disponibilizados para abrigar os evacuados que têm ou podem ter o vírus.

Embora a maioria dos abrigos permanecesse fechada, também foram testadas medidas sanitárias e de distanciamento social: sua capacidade era limitada a 50 pessoas e salas de aula - áreas anteriormente proibidas - foram preparadas para isolar os positivos do vírus.

"Se um furacão de verdade vier, teremos capacidade para 100 mil pessoas em nossos abrigos, com mais espaço e também lugares específicos para pessoas com covid-19", disse o prefeito de Miami-Dade, Carlos Giménez.

Neste domingo, a Flórida registrou 7.104 novos casos de coronavírus, totalizando 487.132 e 7.206 mortos. Com 21 milhões de habitantes, é o estado com mais infecções depois da Califórnia, que tem o dobro da população.

Fim do alerta
O presidente Donald Trump declarou emergência na Flórida e alguns moradores cobriram portas e janelas.

"Você sempre tem que se preparar, só para garantir, porque nunca se sabe", disse Jason Woodall, 44 anos, à AFP, na entrada de uma loja em Miami, onde quase não chovia.

Nas Bahamas, o Isaías deixou ruas inundadas, árvores e postes no chão. O escritório de gerenciamento de emergências do arquipélago declarou nesta manhã o "fim do alerta" para todo o país.

Orson Nixon, do departamento de meteorologia das Bahamas, disse ao canal ZNS local que houve "algumas inundações em áreas baixas, mas nada sério em termos de tempestades".

Isaías atingiu Porto Rico na quinta-feira como tempestade tropical, deixando um rastro de árvores caídas e ruas alagadas.

No sábado, o corpo de uma mulher foi encontrado dentro de um veículo arrastado pela água.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação