Mundo

Presidente de Belarus denuncia tentativa de ''massacre'' em Minsk

Foram detidos 33 ''combatentes'' russos de uma organização próxima ao Kremlin que estariam organizando um ataque antes das eleições presidenciais no próximo domingo

Agência France-Presse
postado em 04/08/2020 10:44
O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, entrega seu discurso anual ao país e aos legisladores em Minsk em 4 de agosto de 2020.O presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, denunciou nesta terça-feira uma tentativa de "organizar um massacre" em Minsk antes das eleições presidenciais, após a detenção de 33 "combatentes" russos de uma organização próxima ao Kremlin.

"A tentativa de organizar um massacre no centro de Minsk é evidente", afirmou durante seu discurso à nação, acusando a Rússia de "mentir" sobre as pessoas detidas porque "não contaram tudo".

Moscou afirmou após a detenção dos 33 membros do grupo militar privado Wagner que eles estavam em trânsito para outros destinos.

A organização foi acusada durante muitos anos de enviar mercenários para lutar em áreas nas quais a Rússia não deseja intervir oficialmente.

"São mentiras: sobre Istambul, sobre a Venezuela, África e Líbia. Estas pessoas confessaram, foram enviadas especialmente a Belarus", afirmou o presidente Lukashenko aos convidados e aos membros do Parlamento.

Também afirmou que "outra unidade" foi enviada ao sul do país: "Devemos caçá-la nas florestas e prendê-la", disse.

A detenção dos suspeitos aumentou ainda mais a tensão com a Rússia, o aliado histórico mais próximo de Belarus.

"Estão 25 anos atrasados, nós estamos voltados para o futuro, não deixaremos o país para eles. A independência é cara, mas vale o esforço", disse Lukashenko.

Aos 65 anos, 26 deles no poder, Lukashenko enfrenta uma mobilização sem precedentes em Minsk e no interior do país da oposição, que se reuniu ao redor de uma candidata surpresa de 37 anos, Svetlana Tikhanovskaya, que assumiu o lugar do marido, Serguei, na disputa presidencial após a detenção do cônjuge.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação