Publicidade

Correio Braziliense

Artigo: Sobre homens e bichos


postado em 06/10/2019 14:29 / atualizado em 06/10/2019 14:40

(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
O que fez com que o homem se tornasse o rei dos animais? Para os religiosos em geral, foi por decisão divina. Deus construiu o Universo todo, e criou o homem para coroar sua obra. Um antigo professor alegava que nossa hegemonia planetária se devia à nossa capacidade de atuar socialmente (como se tantos outros animais não o fizessem). Alguns economistas ainda acreditam que somos superiores porque produzimos de forma organizada (e as abelhas, meu caro, não são mais organizadas do que a maioria das nossas empresas?). Para não continuar expondo hipóteses em que não acredito, vou logo apresentando a minha: acredito que o que diferencia mesmo o ser humano dos demais seres sobre o Planeta é o simples fato de sermos os únicos capazes de produzir, armazenar e consumir cultura, seja ela material, seja ela imaterial.

O livro tem sido, qualquer que seja o material e o formato com que se apresenta, o objeto por excelência em que essa cultura vem sendo depositada. Um pensamento, uma equação, um invento, uma narrativa, um sonho e até um delírio eram registrados em livro. Na gruta de Lascaux, na França, podemos ver verdadeiras formas primitivas de histórias em quadrinho. E, graças à revolução de Gutenberg, desde o Renascimento, cinco séculos atrás, o livro impresso em papel guarda e revela o estado atual do patrimônio cultural da humanidade.

Alguns especialistas temem que novos formatos em que os livros começam a ser apresentados alterem capacidades intelectivas desenvolvidas pelo ser humano há vários séculos. Para outros, o problema maior não seria a superficialidade relativa dos livros de hoje comparados com os de antigamente, mas a incapacidade que as novas gerações têm para se concentrar o suficiente em um único objeto (um livro inteiro). Temem que à mente pluriestimulada falte verticalidade: as novas gerações seriam incapazes de, simplesmente, ler um livro inteiro. E, na hipótese de o fazerem, de absorver o conteúdo do livro.

Ao mesmo tempo em que os homens se fazem mais superficiais, as máquinas - que eles próprios constroem - se tornam cada vez mais inteligentes. Uma simples projeção em gráfico sobre o aprofundamento da inteligência cibernética, de um lado, e, por outro lado, a superficialidade cada vez maior de nossa capacidade intelectiva levariam a uma conclusão catastrófica sobre nosso futuro como reis dos animais.

Sintomas desse processo são evidentes. Hoje já não conhecemos sequer a tabuada! Ao usar e abusar da calculadora, vamos perdendo noções de grandeza. A substituição de noções de localização pelo GPS, antes, e agora pelo Waze, facilitou tanto a nossa vida que estamos perdendo nossa antiga capacidade de nos situarmos no espaço, algo que tem sido útil ao ser humano desde os tempos em que vivíamos como caçadores-coletores. Logo, logo vamos encontrar grupos indígenas em plena floresta amazônica com Waze na mão... E, por mais que a informação seja chocante, somos a última geração de motoristas. Em alguns anos, dez no máximo, frequentaremos veículos autônomos (sim, sem motorista) com tração elétrica. E, se for como espero, até a buzina será eliminada dos automóveis.

Mas, como diz Everett, em seu livro Linguagem, a maior invenção da humanidade, a buzina não é uma linguagem, embora seja uma forma de comunicação. E, por mais que tenhamos vontade de atribuir a alguns animais características e raciocínio de humanos, isso não acontece. Por mais que uma formiga, ou uma abelha, saiba dar recados a suas semelhantes, eles se resumem a informações sobre uma flor, ou um grão de cereal, não sobre sentimentos e emoções. Por mais que uma mãe foca ou uma chimpanzé sinta a morte de um filho, nenhuma saberia responder a uma pergunta sobre quais os planos para o dia seguinte. A linguagem é um atributo do ser humano, daí sua capacidade – e nisso ele é único – de registrar aquilo que se tornará o patrimônio cultural da humanidade, e não da bicharada. Que tal continuar a fazer isso no livro?

Sinto informar a quem ainda não se deu conta, mas cães não escrevem, gatos não leem, macacos não fazem poesias, golfinhos não resolvem equações de segundo grau (nem de primeiro). Foram milhares e milhares de anos para os homens desenvolverem a linguagem. O patrimônio cultural construído por nós com esse instrumento é único, impossível de descolar do ser humano, e só dele. Não temos porque nos envergonhar de nossas conquistas. Temos mais é que preservá-las. E este é o desafio da nossa geração.
 
*Jaime Pinsky é historiador, professor titular da Unicamp, diretor da Editora Contexto. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade