Publicidade

Correio Braziliense

Artigo: Bancos de desenvolvimento e as mudanças climáticas

Os BDs possuem capacidade única de mobilizar e canalizar recursos em escala necessária para um programa global massivo de investimentos verdes


postado em 09/12/2019 13:39 / atualizado em 09/12/2019 13:59

Qual o papel dos bancos de desenvolvimento no século 21? Essa pergunta, que enseja longo debate e admite distintas respostas, ganhou novo e contundente significado com o agravamento das mudanças do clima e seus efeitos. De acordo com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, são necessários recursos da ordem de US$ 3,6 trilhões anuais para o financiamento adequado das metas previstas nos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). 

Nesse contexto, um dos focos da COP 25, em Madri, será o papel dos bancos de desenvolvimento (BDs) na transição para uma nova economia. Os BDs possuem capacidade única de mobilizar e canalizar recursos em escala necessária para um programa global massivo de investimentos verdes e de criação e difusão de tecnologias voltadas à mitigação e adaptação às mudanças climáticas. 

Além disso, os BDs são conexão fundamental entre políticas governamentais voltadas ao desenvolvimento sustentável e à ação do setor privado, atuando no preenchimento de brechas de financiamento em setores estratégicos e de maior risco alocativo. Entre os temas endereçados na COP 25, pelo menos três vetores merecerão máxima atenção. Primeiro, a necessária estruturação de uma metodologia comum para classificação de projetos e atividades financiadas, permitindo a clara separação entre aqueles que são consistentes com o Acordo de Paris e com a Agenda 2030 e aqueles que não o são. Isso permitirá a elaboração de relatórios mais consistentes, padronizados e compreensíveis em escala global. 

Em segundo lugar, a necessária construção de uma arquitetura global de financiamento climático, ampliando o acesso das instituições locais e regionais de desenvolvimento aos recursos disponíveis em nível internacional, por meio do desenvolvimento de linhas em condições de custo e prazo adequados. 

Por fim, é fundamental avançarmos em consensos sólidos sobre os novos modelos de negócios para os bancos de desenvolvimento, avançando da simples atividade de intermediação financeira para a prestação de serviços de assessoria técnica, estruturação de projetos e facilitação de novos negócios.   

O Brasil e seus BDs terão voz em Madri. Organizados em torno da Associação Brasileira de Desenvolvimento — ABDE, que completa meio século de existência neste ano de 2019 — pretende-se compartilhar experiências bem-sucedidas no financiamento de ações sustentáveis. Uma delas é Plano ABC, que já alterou a forma de uso e ocupação do solo com tecnologias de baixo carbono em 53,76 milhões de hectares, segundo o Ministério da Agricultura, mediante financiamentos de R$ 17,3 bilhões entre as safras de 2010/11 e 2018/19.Os BDs adaptaram-se de forma consistente aos diferentes desafios do desenvolvimento nessas cinco décadas. Mas agora estamos diante de um ponto de inflexão, que passa pela revisão do papel dessas instituições e da governança financeira global; pela promoção de uma agenda robusta de investimentos em setores e tecnologias mais sustentáveis.  

Por fim, é urgente reforçar a presença brasileira em novas instituições de peso no financiamento global, como o NDB — o banco do Brics — e o Asian Infrastructure Investment Bank — AIIB, explorando as oportunidades trazidas por essas instituições. Os desafios estão postos. Os BDs, ao redirecionarem as prioridades estratégicas em torno do contexto climático e seus efeitos, podem ser vetores fundamentais na construção de um futuro sustentável e conectado com as necessidades de uma economia em transformação.

* Presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e primeiro vice-presidente da Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE)

** Diretor do Banco do Nordeste e presidente da da Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE)
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade