Opinião

Artigo: A ''primeira morte'' de Baresi

Enquanto jogadores do Brasil transitavam pelo saguão como se estivessem vivos, ou seja, na ativa, respirando a interação com os fãs, Baresi mostrava que aprendeu a lidar com a ''primeira morte''. Era raro vê-lo ali pelo hall

Marcos Paulo Lima
postado em 13/01/2020 10:49
 (foto: Lucas Figueiredo/CBF)
(foto: Lucas Figueiredo/CBF)
Os zagueiros Aldair e Baresi, durante treino para a partida entre master entre Brasil e Itália, no Estádio Presidente Vargas, em FortalezaPaulo Roberto Falcão costuma dizer que ;jogador de futebol morre duas vezes. A primeira, quando para de jogar;. Estive em Fortaleza cobrindo o Seleções de Lendas 1994, evento realizado pela CBF para reativar a Seleção de Masters e homenagear os tetracampeões contra a Itália numa espécie de #tbt da final da Copa dos EUA. Chamou a minha atenção como um dos maiores zagueiros da história do futebol ; o líbero Franco Baresi, de 59 anos, curte a vida de aposentado.

Hospedado em um hotel luxuoso na capital cearense, Baresi atuou com a mesma frieza dos tempos em que brilhou por Milan e Itália. Evitou entrevistas. Veio ao Brasil para cumprir seu papel: brincar com profissionalismo e descansar na confortável concentração.

Enquanto jogadores do Brasil transitavam pelo saguão como se estivessem vivos, ou seja, na ativa, respirando a interação com os fãs, Baresi mostrava que aprendeu a lidar com a ;primeira morte;. Era raro vê-lo ali pelo hall.

O líbero participava pouco das resenhas do café da manhã com os velhos companheiros de guerra da Squadra Azzurra. Fazia o desjejum e rapidamente se recolhia. Perambulou pelo hotel muito menos do que o não menos badalado técnico Arrigo Sacchi. Quando aparecia, posava rapidamente para fotos com tietes com cara de quem cansou do assédio que o perseguiu ao longo da carreira marcada pela conquista de 18 títulos ; incluindo três da Champions League (1989, 90 e 94).

Vários jogadores caminhavam pra lá e pra cá deslizando os dedos na tela do celular. Baresi evitava os vícios da vida pós-moderna. Numa tarde, perguntei a um amigo dele por onde andava o beque. ;Dormindo;, revelou.

Seleto, Baresi gostava de conversar no hotel com o tetracampeão Aldair. Por sinal, ambos sempre jogaram mais do que falaram. Em comum, a humildade, a timidez. Empolgação não é com eles. Ricardo Rocha era o ;arroz; do hall. Estava sempre contando histórias, atendendo os fãs e dedilhando o celular.

Na saideira do Brasil, Baresi novamente ;sumiu;. Enquanto alguns jogadores aproveitavam a ;folga depois da vitória por 1 x 0 sobre o Brasil para ir à praia, caminhar pela orla, fazer compras ou sentar-se no bar do hotel, flagrei Baresi relaxando na cobertura. Escolheu a piscina. Depois de nadar, sentou-se próximo à borda exposto ao sol de 30 graus em Fortaleza. Não suportou o calor por muito tempo e caminhou até a cadeira de sol que esperava o ídolo. Ele só queria sombra e água fresca.

Questionado se poderia falar um pouco sobre futebol, Baresi sorriu. Agiu como um gentleman e deu mais uma demonstração de que aprendeu a lidar com a primeira morte. ;Estou de folga;. Não havia aparelho celular por perto. Não que Baresi seja avesso às redes sociais. No Brasil, fez apenas um post sobre o jogo no Twitter. Leva a vida bem do seu jeitinho, como dizia o pagode de Alexandre Pires que tocava na piscina. É o mais ;mineiro; dos italianos. É de fazer, não é de falar. Ainda bate um bolão, mas prefere curtir a aposentadoria.

Depois do jogo, Baresi passou como relâmpago pela zona mista. Mais um recado de que a brincadeira, o presente, não precisa mais ser tão levado a sério. Há programas bem mais importantes do que resenha sobre futebol com jornalistas. Baresi participou da confraternização com os jogadores de Brasil e Itália no restaurante Coco Bambu, a poucos metros da concentração, e retornou rapidamente ao quarto para curtir o sono dos justos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação