Opinião

Visto, lido e ouvido

O Brasil contraditório

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 16/01/2020 04:06
Nossa imagem e o que pensam da gente aqueles que nos observam de fora e de longe, quase sempre não coincidem com o que pensamos de nós. O motivo, entre vários, é que acreditamos ser o que gostaríamos de ser e quase nunca o que somos de fato. No espelho do ego, vemos como nosso ego nos enxerga e não com as diversas fantasias que exibimos para parecermos um personagem aceitável perante a plateia.

Assim acontece com o Brasil. Observado do exterior, ainda é visto como um país tropical, exótico e violento, cheio de contradições, exibindo uma imagem que parece andar na contramão do mundo civilizado. Um país que, desafiando regras e impondo outras que parecem modernas, tenta desesperadamente esconder o medo de se mostrar ridículo aos olhos de todos. Também não parece ser exagero, uma vez que muitos reconhecem que temos a classe política e dirigente mais cara e corrupta de todo o planeta, ao mesmo tempo em que mantemos os professores mais baratos do mundo e um alunado que, dia após dia, confirma sua posição na rabeira dos rankings internacionais que medem a qualidade do ensino público.
Para qualquer setor da vida pública do país que miramos nossa atenção, as contradições e o exotismo estão presentes.

Condenamos e prendemos em nossas masmorras indivíduos envolvidos com rinha de animais, mas deixamos à solta criminosos e alta periculosidade. Editamos leis que protegem, dão abrigo e até planos de saúde para cachorros e gatos e desprezamos e condenamos nossos idosos e nossos cidadãos a morrerem nas salas de espera dos hospitais.

Do mesmo modo, colocamos na cadeia quem corta uma árvore enquanto deixamos livres conhecidos personagens, madeireiros, garimpeiros e outros profissionais da terra arrasada, ao mesmo tempo em que concedemos a liberdade e o passe livre aqueles que derrubam e incendeiam florestas inteiras, contaminam as águas brasileiras, exterminam nossos rios ou matam nossos indígenas. Nas cidades, multam e prendem quem apresenta carros fora do padrão exigido, enquanto deixamos de lado quem mata no trânsito. Proibe-se fumar em lugar fechado, enquanto o consumo de drogas rola solto em cada esquina.

Cracolândias são permitidas e intocáveis, onde, a cada dia, um miserável morre sob os olhos da sociedade. Tudo isso em pleno centro de nossas principais cidades. Em contrapartida, quem busca saúde, obrigação constitucional do Estado, morre nas filas e sofre com o mais alto grau de descaso.

É justamente nas altas esferas que essas contradições se mostram mais surpreendentes, revelando nosso pendor pelo ridículo, pelo perigoso, pelo incorreto e pelo inusitado. Os tribunais não se avexam em condenar a anos de prisão quem furta um tubo de pasta de dentes, mas encontra o mesmo argumento jurídico para colocar em liberdade aqueles que desviam bilhões dos cofres públicos.

No quesito discriminação, somos imbatíveis. Aceitamos que se condene ao ridículo, enxovalhe a honra com cusparadas de desprezo, figuras avaliadas como sagradas e veneradas pela maioria dos brasileiros, enquanto repreendemos com falso moralismo quem ousa fazer pilhérias sobre as ditas minorias. É justamente esse Brasil que é visto e notado do exterior.
Um país onde o comerciante trabalha protegido por grades para não ser assaltado mais uma vez, e os criminosos, quando apanhados, passam a receber dos contribuintes um soldo mensal maior do que o salário mínimo. Quem desejar ter uma pálida noção sobre o que os estrangeiros pensam de nós, basta ler a última cartilha distribuída pela Embaixada dos Estados Unidos aos seus cidadãos, alertando para os perigos do Brasil inzoneiro. Primeiro de tudo, é preciso manter a discrição, permanecer em alerta sobre o entorno, principalmente em locais frequentados por turistas. Para tanto é necessário que os americanos, que ousarem vir para o Brasil, revejam seus planos de segurança. Todo cuidado é pouco.


A frase que foi pronunciada
;Viva o Brasil
Onde o ano inteiro
É primeiro de abril.;
Millôr Fernandes, escritor, jornalista, cartunista, humorista brasileiro.


Sem comunicação
; Sobre o inexistente número telefônico do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), nosso assíduo leitor Renato Prestes esclarece que os telefones dos Centros de Saúde de Brasília não recebem ligações há um ano e meio. Verdadeiro descaso e desrespeito com a população.


Coincidência
; Enquanto ouvia a notícia de que havia planos para resgatar Marcola da cadeia, em Brasília, e que o PCC comprou várias residências de luxo pelo DF, nosso leitor foi ultrapassado por um carro com a placa PCC0001 em direção aos Jardins Mangueiral, na saída da ponte JK.


História de Brasília
Realizou-se a passeata da fome à porta da Câmara dos Deputados. A chuva não atrapalhou. Sabe-se que em Brasília há fome, há desemprego, para os empregados, e há dificuldades para os empreiteiros.
(Publicado em 14/12/1961)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação