Publicidade

Correio Braziliense

Artigo: Dois papas - o hino


postado em 28/01/2020 04:20 / atualizado em 28/01/2020 08:12

Existe filme bom, filme clássico e filme hino — estes são os superiores: que deslumbram esteticamente, imprimem ideias e não esquecemos. O velho filme Shane – Os brutos também amam  (EUA, 1953) é um desses. Assisti quando ainda muito jovem e até hoje me lembro das imagens, da história e da mensagem: a luta de trabalhadores sem-terra contra latifundiários, o amor discreto entre um homem e uma mulher e o fascínio de uma criança por seu herói. O filme Dois Papas é um filme hino. Agarra nossa mente, com sua beleza plástica, sua mensagem, seus diálogos. Fernando Meirelles conseguiu fazer um dos raros filmes hino da história.

Em Os brutos também amam,  diz-se que  o diretor George Stevens utilizou a técnica de filmar com a câmera na altura dos olhos de um menino de 10 anos e, com isso, nos deu a inquietante perspectiva de assistir à história, ver e entender seus personagens e cenários com a visão e a simplicidade de uma criança. Não sei o mistério da técnica usada por Fernando Meirelles, mas ele nos fez assistir a dois homens de físico mediano como se fossem gigantes, maiores do que os palácios onde conversam, na deslumbrante e monumental paisagem do Vaticano. Gigantes e do mesmo tamanho, independentemente da simpatia que o espectador tenha por um ou por outro. 

Sabemos, entretanto, que ele fez grandes personagens pelo diálogo, postura e valor moral de cada um deles. A genialidade do diretor está em dar veracidade a uma obra que ele cataloga como ficção para representar uma determinada realidade. É isso que faz um grande escritor, pintor ou um cineasta como Meirelles. Nas suas mãos, a ficção vira um filme realista e belo. Os diálogos passam veracidade, porque são produto da matéria-prima dentro de cada personagem, misturando moral e lucidez, ética e inteligência, seus sonhos, angústias, frustrações. 

Do primeiro ao último encontro entre Bento XVI e Francisco I, este ainda cardeal Bergoglio, percebe-se duas mentes brilhantes e diferentes, como em uma luta de esgrima no palco da história que espera ansiosa pelo resultado e as consequências do argumento que sairá vitorioso. Em Shane, vemos com olhos de um menino os tiros e murros entre lutadores de um lado ou de outro da história. Em Dois Papas, também nos sentimos crianças diante de dois lutaidores gigantes com argumentos ideológicos, políticos, sociais e teológicos. Além de que eles se enfrentam com mútuo respeito e na busca de um entendimento, não de uma vitória, pelo bem da Igreja neste momento difícil, devido à curva da história e aos erros de alguns de seus líderes. Eles pensam diferentemente, mas têm o mesmo entendimento da tormenta do presente, cada um propondo uma forma alternativa de atravessar as dificuldades de hoje em direção ao amanhã.

Quando escutamos um hino, reunimos o sagrado com nossa vida. O filme Dois Papas  nos passa isso. Eles nos representam com nossos credos e nossas visões de mundo. Na cena do tango dançado na despedida entre os dois, ou quando se reencontram para assistir ao jogo da Alemanha contra Argentina, o sublime e o sagrado se reúnem ao mundano e terrestre, formando o humano. O filme os mostra como gigantes e humanos com pecados, dúvidas, erros, remorsos.

Dois Papas, como os hinos, nos deixa com desejo de querer mais tempo de filme e de querer mais líderes como eles: que dialoguem entre si, exatamente por discordarem, por entenderem diferentemente o presente e sonharem diferentemente o futuro; e que sejam capazes de mea-culpa e autocrítica como eles fazem de seus passados. 

Um dos momentos mais dramáticos do filme e mais geniais do hino é a cena em que Bento XVI se confessa ao padre Bergoglio sem que o som de sua voz seja escutado. Sabemos que ele está expiando o pecado de assistir aos erros na Igreja, e sua omissão em alguns momentos desses erros. Os flashbacks na vida de Bergoglio mostram o quase desespero de possíveis equívocos durante o regime militar argentino, mesmo com boa intenção. 

Pena que nossos políticos não fazem essa expiação pelos pecados da corrupção nas prioridades e no comportamento, a pedofobia de negar escola, saúde, alegria a nossas crianças. Ainda não fizemos nossas autocríticas, confissões nem aceitamos o diálogo com quem divergimos: não temos gigantes na política brasileira dessas últimas décadas. E sem eles nenhum cineasta gigante consegue fazer o nosso filme hino da política.

*Professor emérito da Universidade de Brasília (UnB)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade