Publicidade

Correio Braziliense

Visão do Correio: Carnaval exige segurança e bom senso


postado em 18/02/2020 04:07 / atualizado em 18/02/2020 13:26

(foto: Fernanda Furtado/CB/D.A Press)
(foto: Fernanda Furtado/CB/D.A Press)
Carnaval é sinônimo de alegria, descontração, irreverência. Blocos, escolas e foliões aproveitam os dias de Momo para exercitar a liberdade. Milhares de pessoas saem às ruas para cantar, pular, divertir-se. Grandes aglomerações impõem cautelas seja do indivíduo, seja do poder público. Brincar é a ordem — sem licença para abusar.

Há que ter cuidado com a saúde. O período é propício a alergias, desidratação e transmissão de infecções. No contato sexual, o uso de camisinha é imperativo. Não só. Luz amarela acende-se com o uso de bebida alcoólica — comum antes, durante e depois da folia.

A maior parte dos acidentes de trânsito se deve ao consumo de substâncias etílicas antes de dirigir. Cerveja, uísque, vinho, vodca não combinam com volante. O motorista que optar por um deve abdicar do outro. A segurança e o bom senso aconselham recorrer a transporte público ou a táxi para se locomover.

Com permissão para extravagâncias, muitos se excedem e ultrapassam limites. Assédio, abuso, por muitos considerado “brincadeirinha”, tornou-se crime. A Lei de Importunação Sexual, sancionada em 2018, distingue os casos de assédio dos de estupro ou atentado ao pudor.
Até então, a punição era multa. Agora é pena de um a cinco anos de prisão para quem aposta na impunidade e teima em avançar o sinal. O slogan “Não é não” ganhou força no carnaval de 2019 e tudo indica que se manterá em 2020.

A violência é outro fator de preocupação. No pré-carnaval, registraram-se episódios que devem deixar as autoridades alertas. Em Brasília, por exemplo, um jovem morreu esfaqueado. Em São Paulo, além de quase 500 detidos, cinco pessoas foram baleadas neste fim de semana. No Rio, um homem e um adolescente perderam a vida. Nas demais unidades da Federação, o cenário se repete.

Policiamento ostensivo e ações de inteligência precisam ser convocados para inibir a violência e poupar vidas. O folião também precisa fazer a sua parte. O primeiro mandamento: cuidar-se. Vias escuras, vazias e arborizadas são ambiente propício a pessoas mal-intencionadas. Objetos valiosos e aparelhos eletrônicos constituem convite a assaltos. O índice de furtos e roubos aumenta consideravelmente no período de carnaval. Arrastões tornam-se cada vez mais frequentes.

O Estado, claro, deve garantir a segurança pública. Mas não há como designar um PM para acompanhar cada pessoa. O cidadão tem de fazer a sua parte. A regra: prevenir para não ter de remediar. Tal como a flecha arremessada não tem volta, remediar nem sempre é possível. A ciência ainda não conjugou o verbo ressuscitar.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade