Publicidade

Correio Braziliense

Artigo: Jornalista, com orgulho

''Escrevo este artigo no dia em que a memória de Líbero Badaró, Hipólito da Costa, Assis Chateaubriand e de tantos outros gigantes da história da imprensa nacional é reverenciada''


postado em 08/04/2020 04:13 / atualizado em 08/04/2020 08:41

(foto: Júlio Lapagesse/CB/D.A Press )
(foto: Júlio Lapagesse/CB/D.A Press )
Em meio a achaques, a uma campanha de desinformação nas redes sociais e à desmoralização empreendida pelas mais altas esferas do poder, nós sobrevivemos. Em nome dos oprimidos, sem voz e sem vez, calados pela arrogância e pela truculência dos que se julgam acima do bem e do mal, resistimos. Em nome da memória de Vladimir Herzog e de tantos outros emudecidos pela crueldade e pela sanha assassina, seguimos na luta. Nos últimos 25 anos, 64 colegas foram executados friamente por buscarem a verdade. E a verdade, muitas vezes, dói a consciência dos poderosos. Em várias ocasiões, o poder trata a imprensa com virulência e descrédito. É ela quem fiscaliza, monitora, cobra e, sobretudo, denuncia desmandos, desatinos e incongruências em uma sociedade na qual a ignorância parece moldar os interesses do Estado.

Somos jornalistas, sim, apesar de tudo, com orgulho e cientes de nossa responsabilidade social. Escrevo este artigo no dia em que a memória de Líbero Badaró, Hipólito da Costa, Assis Chateaubriand e de tantos outros gigantes da história da imprensa nacional é reverenciada. Também no momento em que colegas setoristas de Política se tornam alvos de deboche e de ofensas de quem deveria, por lei, por prerrogativa e por natureza, respeitar a liberdade de expressão e o direito à informação crível garimpada por profissionais. Nos tempos em que a máxima autoridade do país reproduz um vídeo falso e inverídico, em meio a uma pandemia, talvez sem se dar conta de que seu conteúdo pode causar grave comoção pública e de que o presidente, ainda que pense o contrário, não possui a faculdade da onipotência.

Como escrevi meses atrás, ao contrário do raciocínio do ocupante do Planalto, não estamos em extinção e não somos caso de Ibama. Também não somos e jamais seremos massa de manobra. O trabalho da imprensa é crucial para escorar os pilares da democracia. Ainda mais durante uma pandemia, quando fake news colocam em risco a esperança e as vidas de cidadãos de todo o planeta. Os meios de comunicação são, neste momento, de utilidade pública. É por meio deles que a sociedade pode ter informações corretas e precisas sobre as formas de prevenção do novo coronavírus, as vacinas em desenvolvimento, o avanço da Covid-19 no Brasil e no mundo. Notícias falsas lançadas a esmo no WhatsApp e nas redes sociais quase sempre são replicadas de forma inocente (ou não). Às vezes pelo próprio presidente.

Queiram ou não os poderosos, o jornalismo será sempre o fantasma a assombrar os incompetentes, os líderes que se apossam de seus cargos e aqueles que disseminam a mentira para obterem vantagens. Somos jornalistas, sim, e seguiremos cumprindo com a nossa missão de levar informação apurada e a verdade dos fatos. Por Vlado, Chateaubriand, Badaró e pela democracia. Sempre.




Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade