Opinião

Adiamento das eleições?

''O fato de estarmos em quarentena leva os mais apressadinhos a acharem que o assunto se resolve fácil. Não é assim''

Gilson Alberto Novaes*
postado em 25/06/2020 04:05
''O fato de estarmos em quarentena leva os mais apressadinhos a acharem que o assunto se resolve fácil. Não é assim''O adiamento das eleições municipais previstas para outubro vindouro em razão da pandemia da covid-19 ganhou corpo depois que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, comentou o assunto, logo após tomar posse. Disse, entretanto, que ;os prazos estão mantidos, a menos que haja risco grave para a saúde pública e não encontremos alternativas;.

O fato de estarmos em quarentena leva os mais apressadinhos a acharem que o assunto se resolve fácil. Não é assim. Há necessidade de uma emenda constitucional, que não se aprova do dia para a noite nas duas casas legislativas. Prorrogar mandatos para alinhar com as eleições de 2022 só pode passar pela cabeça de interesseiros de plantão ou alguém que não conhece nossa história. Já tivemos duas eleições municipais canceladas: a de 1980 e a de 1986, ambas no regime ditatorial. As razões foram várias. Uma delas dizia que era para diminuir custos com as eleições, fazendo-as todas juntas. Depois, mudaram de ideia e as separaram. Agora, querem juntar de novo. Eita!

Relembremos então: em 1980, o Congresso Nacional prorrogou os mandatos dos prefeitos e vereadores. Lembro-me bem, pois eu exercia o cargo de vereador em minha cidade. Uma emenda constitucional estendeu por mais dois anos os mandatos. Estávamos no regime militar.

Outra justificativa para a prorrogação dos mandatos foi a de que não havia tempo para que os partidos cumprissem tudo o que a legislação lhes exigia na reforma partidária ocorrida em 1979. Lembremos que foi nessa época que surgiram os outros partidos, além dos dois existentes até então: MDB e Arena.

Na época, cogitou-se que o governo militar não estava disposto, por não achar conveniente, a enfrentar as urnas naquele ano. A oposição havia crescido entre os anos de 1974 e 1978 e isso deixava o Planalto de antenas ligadas. Afirmações outras também davam conta de que a maioria governista no Congresso se tornara nova maneira de os militares imporem suas posições, substituindo, assim, a força do AI-5 (Ato Institucional n; 5), que havia sido revogado no final do governo Geisel, em 1978. Nessa época, os prefeitos das capitais e de áreas consideradas de segurança nacional eram nomeados pelos governadores, não eleitos pelo povo.

Em 1982, instituiu-se o mandato de seis anos (1983-1988) no âmbito municipal, suprimindo-se as eleições que seriam em 1986 e criando o voto vinculado para os cargos em disputa. O voto só seria válido se dado a todos do mesmo partido. Na verdade, o governo central pretendia atrelar o voto à força política dos detentores de cargos no Executivo, majoritariamente do PDS, partido que apoiava os militares.

Nossa história recente é cheia de altos e baixos, idas e vindas na questão eleitoral. Na verdade, a música sempre foi posta pelos ocupantes do Poder. Hoje, em plena pandemia da covid-19, há quem pense em adiar as eleições. O deputado Aécio Neves busca apoio para sua proposta de emenda constitucional que transfere as eleições municipais para 2022, unificando-as com a eleição para presidente, senador, governador e deputados federais e estaduais.

Ele justifica a PEC com a destinação da verba do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (R$ 2 bilhões, além de recursos do orçamento do TSE destas eleições) para o controle da covid-19 e tratamento dos infectados. Argumento pobre, para dizer o mínimo. A proposta vai mais longe: fala em fim da reeleição para cargos executivos a partir de 2026, com mandato único para estes, de cinco anos. Ainda mais: propõe que 1/3 das vagas do Senado em 2022 não tenha mandato de oito anos, mas de quatro, unificando os mandatos da Casa.

Ainda não temos definição quanto à possibilidade de adiar as eleições, mas o bom senso nos aponta para algumas formas de contornar a pandemia e realizar o pleito. O Congresso está com a palavra. Talvez realizá-la pouco depois, ou realizar o pleito em dois dias... algo do gênero. Prorrogar mandatos, chega!


* Professor de direito eleitoral e diretor do Centro de Ciências e Tecnologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie campus Campinas

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação