Publicidade

Correio Braziliense

O fim da peregrinação

A AMA, água mineral da Ambev, financia projetos de acesso à água em comunidades rurais do semiárido, que chegavam a passar seis horas por dia em busca desse recurso


postado em 17/12/2018 16:46 / atualizado em 17/12/2018 17:24

Dona Francisca, moradora de Bom Nome, no Ceará, comemora o acesso mais fácil à água(foto: AMA/Divulgação)
Dona Francisca, moradora de Bom Nome, no Ceará, comemora o acesso mais fácil à água (foto: AMA/Divulgação)


O semiárido brasileiro é um dos climas mais complexos do mundo para a adaptação humana. Ele ocupa cerca de 12% do território nacional e tem como principais características o baixo índice de chuvas; altas temperaturas e a grande quantidade de sal presente no solo, o que facilita a evaporação da água e inibe a atividade agrícola. Enquanto São Paulo possui uma precipitação média de 600mm por mês, o semiárido recebe menos de 300mm ao ano, com secas prolongadas que podem durar mais de 10 meses. Os rios da região também são intermitentes e o fluxo de água chega a desaparecer durante os períodos de estiagem. Nesse cenário, 35 milhões de brasileiros passam sede e chegam a dedicar seis horas do dia à procura de água.

Em busca de melhorar a vida das famílias que habitam esse semideserto, a Cervejaria Ambev lançou o primeiro negócio 100% social em escala nacional. A AMA é uma garrafa de 500ml de água mineral, vendida e distribuída pela empresa, cujo lucro é inteiramente destinado a projetos de acesso à água. Com apenas um ano e meio de existência, o projeto conseguiu atingir todos os estados que têm esse clima em pelo menos parte de seu território. Até agora, foram arrecadados R$ 2,8 milhões, utilizados para financiar 28 iniciativas e beneficiar 26 mil pessoas nos estados da Bahia, do Ceará, da Paraíba, de Pernambuco e do Piauí. Ainda este mês, serão definidas as comunidades que serão beneficiadas em mais quatro estados: Alagoas, Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Sergipe.

"Estar presente em todos os estados do semiárido, com tão pouco tempo de existência, tem um gostinho de vitória que pode ser comparado ao gostinho de um copo de água para quem tem sede" Carla Crippa, diretora de Sustentabilidade da Cervejaria Ambev (foto: Raoni Maddalena/Ambev)

“Estar presente em todos os estados do semiárido, com tão pouco tempo de existência, tem um gostinho de vitória que pode ser comparado ao gostinho de um copo de água para quem tem sede”, comenta Carla Crippa, diretora de Sustentabilidade da Cervejaria Ambev. No início de 2019, serão mais 9 mil pessoas com acesso a água em abundância para beber, tomar banho, escovar os dentes, regar uma horta e várias outras atividades básicas para a sobrevivência e saúde humana. “Com AMA, foi possível extrapolar nossos muros e conscientizar os nossos consumidores sobre o problema da seca e da falta de água em algumas regiões do país. Acreditamos que, com a AMA, podemos impulsionar o mercado como um todo a repensar a sustentabilidade para além de seus negócios, com foco nas matérias-primas e sem visar apenas o lucro. É um projeto que conecta todos por uma causa maior e que conversa diretamente com o propósito da Ambev e AMA, que é unir as pessoas por um mundo melhor”, afirma Carla.

 

Indicadores sociais

 

Semiárido brasileiro
Semiárido brasileiro

Para serem selecionados, os projetos devem preencher alguns pré-requisitos, como estar em uma comunidade rural pequena, de até 500 famílias, com baixo índice de desenvolvimento humano, dentre outros indicadores sociais, e em uma área pertencente ao semiárido, conforme definição do IBGE. “Ao escolher comunidades rurais e com os indicadores sociais mais baixos, queremos apoiar aqueles que nem sempre são priorizados e garantir que quem mais precisa esteja sendo contemplado”, destaca Andrea Matsui, gerente de Sustentabilidade da Cervejaria Ambev.

Em cada local é realizado um diagnóstico para entender as principais causas do problema e qual a melhor forma de ajudar, sem correr o risco de descaracterizar o bioma da região. “Buscamos, em cada região, organizações que já trabalhem com acesso à água e que tenham experiência com as particularidades de cada área de atuação. Aprendemos com elas que, para cada região, pode ser preciso uma abordagem diferente”, conta a gerente. As soluções incluem a perfuração de poços profundos para captação de água, placas solares para baratear o custo de energia para distribuição, revitalização de sistemas de distribuição que estavam inoperantes, construção de cisternas e sistemas de reuso em escolas, manejo de hortas e capacitações em meio ambiente.


"Ao escolher comunidades rurais e com os indicadores sociais mais baixos, queremos apoiar aqueles que nem sempre são priorizados e garantir que quem mais precisa esteja sendo contemplado". Andrea Matsui, gerente de Sustentabilidade da Cervejaria Ambev (foto: Raoni Maddalena/Ambev)

Os projetos da AMA são realizados em parceria com a Fundação Avina, organização não governamental focada em desenvolvimento sustentável, e são implementados por parceiros locais, com o envolvimento das comunidades, visando à sustentabilidade do sistema e também a conscientização da população quanto ao uso e cuidados com a água. “Trabalhar com parceiros locais permite que as iniciativas já existentes sejam valorizadas e empoderamos o terceiro setor regional. Além disso, outra premissa do projeto é garantir o envolvimento da comunidade na solução implementada”, explica Andrea, “O envolvimento da comunidade aumenta muito a probabilidade de sustentabilidade dos projetos, porque a comunidade se sente dona da solução e motivada para manter cada um”, completa.

Os primeiros estudos relacionados ao Índice de Progresso Social que a Ambev realizou nos locais de atuação indicam que o acesso à água gera melhoria em outros indicadores, além de saneamento básico. Houve uma redução de casos de diarreia e insegurança alimentar, aumento da convivência com vizinhos e da satisfação com serviços públicos e a inclusão social das mulheres, que, antes, eram as encarregadas de ir buscar água em locais distantes. “São resultados como esses que nos deixam felizes e satisfeitos por estarmos no caminho certo para a construção de um mundo melhor”, comenta a diretora Carla. “Em pouco mais de um ano e meio de existência, os números da AMA realmente nos dão muito orgulho. E nossa meta é continuar crescendo, apoiando cada vez mais projetos, contribuindo cada vez mais para a causa do acesso à água. Essa vitória é nossa enquanto companhia, mas também de todos os consumidores que escolhem AMA”, conclui.

Venda da Ama já resultou em R$ 2,8 milhões para ajudar comunidades de vários estados(foto: AMA/Divulgação)
Venda da Ama já resultou em R$ 2,8 milhões para ajudar comunidades de vários estados (foto: AMA/Divulgação)

A garrafa de AMA custa R$1,79, dos quais 45% são reposição de gastos com produção e transporte, 25% são destinado para o pagamento de impostos, 5% vão para marketing e vendas e 25% são o lucro destinado às ações sociais. Ela pode ser encontrada para venda em redes de supermercados, bares e restaurantes nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia, Pernambuco e no Distrito Federal. Também é possível comprar, de qualquer lugar do país, pelo site www.emporio.com/ama.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade