Publicidade

Correio Braziliense

PMDB fica de olho no Ministério da Justiça

 


postado em 13/11/2008 09:45 / atualizado em 13/11/2008 09:45

Na briga com o PT do senador Tião Viana (AC) pelo comando do Senado, o PMDB bate o pé em torno da candidatura própria, alegando que tem direito de indicar o presidente, como maior bancada, mas está mesmo de olho em mais um ministério: o da Justiça, que embute o comando da Polícia Federal. Um interlocutor do presidente Luiz Inácio Lula da Silva adianta que o governo topa a negociação, até porque a maioria no Senado é frágil, mas não aceita "entregar tudo"- a presidência do Congresso e mais uma vaga na Esplanada - ao partido. Talvez por isso, a cúpula peemedebista do Senado, tendo à frente os senadores José Sarney (AP) e Renan Calheiros (AL), argumente, nos bastidores, que ministério é assunto de Lula, mas a decisão de indicar o candidato ao comando do Congresso não passa pelo Planalto: compete à bancada. Preocupado com a disputa na base governista, Lula mandou incluir na agenda da semana que vem dois compromissos. De volta da viagem oficial à Europa e aos Estados Unidos, ele quer se reunir com os seis ministros e a cúpula do PMDB. Um interlocutor de Lula que acompanha a sucessão no Congresso afirma que, hoje, o presidente admite troca de comando na Justiça e está sensível às queixas contra o ministro da Justiça, Tarso Genro. Segundo o interlocutor, no entanto, a boa vontade com o PMDB de Sarney não se repete na sucessão da Casa. Neste caso, a preferência clara de Lula recai sobre Viana. Mas o PMDB finge que não sabe. "Se o partido ficar com as duas presidências (Câmara e Senado), não haverá necessidade de mais espaço (no governo)", diz o líder no Senado, Valdir Raupp (RO).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade