Publicidade

Correio Braziliense

Ex-ministro defende candidatura de Aécio

O governador mineiro viajará pelo país como pré-candidato tucano à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva


postado em 23/02/2009 08:34 / atualizado em 23/02/2009 08:34

O livro "Daquilo que sei não" será uma biografia clássica da vida de Tancredo Neves, conta o seu autor, o ex-ministro da Justiça no governo José Sarney e advogado Fernando Lyra, que hoje não tem vínculo com partido político, mas se mantém ligado à vida pública como presidente da Fundação Joaquim Nabuco, vinculada ao Ministério da Educação. “Eu bem queria lançar o livro em Belo Horizonte, mas minha saúde não permite e o Aécio se prontificou a vir até aqui (Recife)”, explica, sem entrar em detalhes sobre o conteúdo da publicação. “Por força do contrato editorial, não posso revelar nada neste momento”, justifica-se Lyra. “Existe muita história sobre aquele período da redemocratização do país — não sei se verdadeiras ou falsas. Vou contar as que sou testemunha pessoal, como o lançamento da candidatura de Tancredo à presidência: eu que o lancei”, relata, rememorando episódio que, exatos 25 anos atrás, deu uma guinada na história do país, promoveu a abertura política e mais tarde permitiu o restabelecimento das eleições diretas. Desafio “É mesmo uma coincidência”, observa Lyra, ao saber que a viagem de Aécio a Recife vai dar partida a uma agenda de compromissos que tem como objetivo viabilizar o lançamento da própria candidatura, reeditando os passos do avô rumo à presidência. A diferença é que Aécio terá um árduo pré-desafio a vencer, que são as prévias com seu correligionário de partido, o favorito governador paulista José Serra. “Aécio Neves e (o governador pernambucano) Eduardo Campos são as únicas novas lideranças deste país”, considera Lyra, que apoia o desafio proposto pelo governador de Minas. Por isso, Lyra discorda do presidente Fernando Henrique Cardoso, ao propor, em entrevista recente, a retirada do mineiro da disputa sob o argumento que “ele pode esperar”, por ser “muito novo”. Para Lyra, é preciso relativizar a proposta. “Você é que faz a hora”, diz, num aberto conselho e alerta a Aécio. O lançamento do livro será no Paço da Alfândega, em 16 de março, uma segunda-feira, com a presença do governador de Minas, que à época dos fatos narrados por Lyra sobre o Tancredo tinha pouco mais de 20 anos de idade e iniciava a carreira, como uma espécie de secretário particular do avô. Prefeitos Em Minas Gerais, o PSDB vai iniciar uma ofensiva para mobilizar as lideranças partidárias pela viabilização da candidatura de Aécio como candidato à sucessão presidencial. O primeiro passo será cuidar dos aliados de dentro de casa, com a realização na capital mineira de um grande encontro com os cerca de 150 prefeitos e 144 vices tucanos eleitos em 2008. O formato e os detalhes da manifestação pró-Aécio serão discutidos com a Executiva do partido depois do carnaval. A ideia inicial era realizar em março um ato de manifestação dos mineiros a favor das prévias no PSDB para escolher entre Aécio e o governador de São Paulo, José Serra — o outro postulante à vaga de candidato no partido —, mas de acordo com o presidente estadual do PSDB, deputado federal Paulo Abi-Ackel, como essa etapa foi vencida, será preciso reformular o encontro. “Vencida essa etapa das prévias teremos de rediscutir a questão com o partido e procurar o próprio governador. De qualquer forma, vamos fazer um evento que sirva como vitamina para o partido nas suas bases, convocando, em qualquer hipótese, as lideranças do PSDB mineiro a se engajar o máximo possível na candidatura do governador Aécio Neves e no processo sucessório mineiro”, afirmou o dirigente tucano. A data ainda será marcada, mas a expectativa é de que o encontro seja no primeiro semestre.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade