Publicidade

Correio Braziliense

Presidente da OAB defende abertura dos arquivos da ditadura militar

 


postado em 31/03/2009 11:14 / atualizado em 31/03/2009 11:16

Na data em que se completa 45 anos do golpe militar de 1964, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, divulgou uma nota em que defende a abertura dos arquivos da ditadura militar. Não se trata de reabrir feridas ou buscar revanches. Trata-se de resgatar a memória do país", diz. Britto afirmou que a Lei de Anistia perdoou os delitos políticos de ambas as partes, mas ressaltou que anistia não é amnésia e que um país que não conhece sua história corre o risco de repeti-la. Na avaliação do presidente da OAB, manter fechados os arquivos da ditadura é sabotar a memória nacional. Quase meio século depois daqueles tristes acontecimentos, já não são os seus [os desaparecidos políticos] que estão sendo sabotados. É a história a memória nacional. A golpe de 64 deixou o Brasil sob o governo dos militares até 1985.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade