Publicidade

Correio Braziliense

PF investiga fraudes em estaleiros


postado em 04/07/2009 11:27

A Polícia Federal está analisando todas as licitações realizadas pela Petrobras e pela Marinha nos últimos anos, onde as vencedoras foram três empresas investigadas durante a Operação Luxo, desencadeada na última quarta-feira. A PF suspeita que houve combinação de preços, conluio entre os concorrentes e superfaturamento. O caso foi descoberto durante uma apuração de contrabando e fraudes aduaneiras. Escutas telefônicas detectaram negociações ilegais entre estaleiros. Fontes da PF informaram que não há indícios de participação de servidores da estatal e da Marinha nas fraudes. A Operação Luxo foi realizada de forma discreta em Fortaleza e no Rio de Janeiro. Cinco empresários do ramo náutico acabaram presos. Eles são acusados de, entre outros crimes, fraudes nas licitações de construção de navios, o que envolve negociações milionárias. Pelo menos três grandes estaleiros estão sob suspeita. No Ceará, foi preso Gil Bezerra, a mulher dele, Elisa Gradvohl, e o filho do casal, Robert Gil, proprietários da Indústria Naval do Ceará (Inace). O negócio da família envolvia construção de navios para a Marinha. A corporação, por meio da assessoria, descartou relação com o grupo, o que foi endossado pela Polícia Federal. A Petrobras informou, por meio da gerência de comunicação, que identificou contratos com duas das empresas citadas. Com uma delas, a Marinar, localizada no Rio de Janeiro, a estatal tem 39 contratos de fretamento de embarcações, 13 deles vigentes. %u201CCom a Internave (outro estaleiro fluminense) são dois contratos, um encerrado em 2006 e outro vigente até 2012. Esses dois referem-se a reparos em sinalização flutuante para navegação%u201D, disse a Petrobras.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade