Publicidade

Correio Braziliense

DEM critica declaração de Lula


postado em 22/10/2009 21:01

A comparação feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de que se Jesus Cristo estivesse aqui teria que negociar até com Judas para aprovar projetos no Congresso, repercutiu no Parlamento. O líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (GO), criticou a forma do presidente fazer política. Já o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), minimizou dizendo que num governo de coalizão, às vezes, não se pode escolher os parceiros.

Nesta quinta-feira (22/10), em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o presidente Lula afirmou que nunca teria feito concessão política, mas sim acordos. Para explicar a coalizão de vários partidos, Lula comparou o cenário político do país à passagem bíblica da traição de Judas a Jesus Cristo. "Uma forma de evitar a montagem do governo é ficar dizendo que vai encher de petista. O que a oposição quer dizer com isso. Era para deixar quem estava. O PSDB e o PFL (hoje DEM) queriam deixar nos cargos quem já estava lá. Quem vier para cá não montará governo fora da realidade política. Se Jesus Cristo viesse para cá, e Judas tivesse a votação num partido qualquer, Jesus teria de chamar Judas para fazer coalizão", disse o presidente. "Ele [Lula] realmente expôs a maneira como ele realmente trabalha em política. A única comparação que não é compatível é ele querer representar a figura de Cristo, ao contrário", disse Caiado. Henrique Eduardo Alves saiu em defesa de Lula. "Não entendi bem o significado da fala do presidente e vou ler melhor. Mas para governar é preciso fazer coalizões onde, muitas vezes, se escolhe parceiros e, por necessidades estratégicas, não pode escolher os parceiros. São os [parceiros] possíveis, mas sempre dentro do limite ético que tem norteado o governo Lula", argumentou o peemedebista, que criticou a oposição.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade