Publicidade

Correio Braziliense

Lula entre Brasília e São Paulo


postado em 14/11/2009 08:38 / atualizado em 14/11/2009 10:20

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está tirando a poeira do gabinete da Presidência da República em São Paulo. Um escritório que era utilizado como apoio, para audiências específicas, é a segunda casa do governo federal. Os despachos do escritório na tradicional Avenida Paulista tem um viés eleitoral e uma comodidade. Ele desloca uma trupe de seguranças, assessores e funcionários técnicos de Brasília para marcar presença no ninho dos tucanos, onde o governador José Serra quer ser candidato ao Palácio do Planalto no ano que vem. Só nesta semana, ele despachou três dias na capital. São Paulo é um problema para Lula. Nas duas últimas eleições presidenciais, ele foi derrotado pelo candidato do PSDB. Por isso o maior colégio eleitoral do país é estratégico para o presidente conseguir levar a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, ao cargo máximo do Palácio do Planalto na eleição do ano que vem. Para se encaixar na estratégia eleitoral, Lula transformou a Pauliceia na cidade das decisões ambientais ao realizar duas reuniões para tratar da proposta brasileira para a Conferência do Clima, em Copenhague (Dinamarca). A ideia é fazer a mídia paulistana girar em torno de seu gabinete e encolher o espaço de Serra. Nesta semana, ambos digladiaram-se sobre metas de emissão de gás carbônico. Duas horas depois de o governador assinar lei determinando redução de 20% dos poluentes jogados na atmosfera, a ministra Dilma divulgou a proposta de estabelecer um objetivo voluntário de contenção de CO2. O Executivo disse que os despachos de Lula no gabinete presidencial de São Paulo foram uma conveniência por ele já estar na capital. Na segunda-feira, ele vinha do Congresso do PCdoB e ontem ele embarcaria para a França para se encontrar com o presidente Nicolas Sarkozy, no final da noite e participou durante a manhã de um congresso internacional sobre iniciação científica. Mas não se trata somente de conveniência. O deslocamento presidencial feito no Aerolula carregou seus assessores, ministros e mobilizou seguranças. Tudo ao custo dos cofres públicos. No gabinete, cedido pelo Banco do Brasil, Lula recebeu ontem o Presidente do Conselho de Administração do Bradesco, Lázaro de Mello Brandão, e despachou com Dilma e Paulo Vannuchi, dos Direitos Humanos. Quando passa a noite em São Paulo, Lula dorme em seu apartamento em São Bernardo do Campo. O prédio onde funciona o gabinete de Lula em São Paulo é um dos mais famosos da Avenida Paulista. Tem 19 andares e o escritório cedido ao presidente tem 300m².

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade