Publicidade

Correio Braziliense INVESTIGAÇÃO

Apuração binacional contra a Universal

MP de São Paulo e promotoria dos EUA compartilham informações para fechar o cerco contra 10 integrantes da igreja do bispo Edir Macedo


postado em 18/11/2009 07:00 / atualizado em 18/11/2009 08:23

São Paulo – Duas caixas de documentos enviadas ontem pelo Ministério Público de São Paulo para a promotoria criminal de Nova York selam o início efetivo de uma parceria entre autoridades brasileiras e norte-americanas na investigação criminal contra o bispo Edir Macedo e mais nove representantes da Igreja Universal do Reino de Deus. Eles são acusados de formação de quadrilha, estelionato, desvio de recursos e lavagem de dinheiro em território norte-americano. O MP investiga movimentação de cerca de US$ 862,5 milhões por meio de empresas abertas em paraísos fiscais.

O acordo de cooperação prevê que as investigações sejam conduzidas pelos Estados Unidos, mas promotores brasileiros poderão acompanhar a quebra de sigilos fiscais e bancários de pessoas ligadas à Universal. Segundo investigações preliminares, a Igreja comandada por Edir Macedo enviou numa única remessa cerca de US$ 1,8 milhão para uma conta aberta nos EUA.

De acordo com a papelada já enviada pelos promotores brasileiros à divisão de combate a fraudes e crimes financeiros de Nova York, esse dinheiro seria oriundo da contribuição de fiéis da igreja durante cultos religiosos. A remessa, segundo promotores de Justiça, seria ilegal porque foi feita à revelia do Banco Central do Brasil e porque a Constituição brasileira determina que os recursos recolhidos em cultos religiosos sejam aplicados em obras de caridade e manutenção de templos.

Não é a primeira vez que a divisão de combate a fraudes e crimes financeiros vai investigar desvios de recursos feitos por igrejas. No ano passado, os promotores norte-americanos conseguiram bloquear e confiscar mais de US$ 5 bilhões de instituições religiosas com sede na terra de Barack Obama. O dinheiro era doado por fiéis e acabava financiando emissoras de rádio, televisão e a vida de luxo dos pastores que administravam os recursos.

Em uma primeira etapa, os promotores norte-americanos e brasileiros vão começar a investigar as contas da Universal nos Estados Unidos. A ideia é quebrar o sigilo financeiro e fiscal de seis empresas com sedes em quatro estados. De lá, as investigações seguirão para o Brasil. Aqui, serão avaliadas duas empresas (Unimetro e a Cremo), ligadas à Universal, que fizeram transferência financeira para as empresas com sede nos EUA.

Bloqueio
O Ministério Público de São Paulo já enviou documento aos EUA pedindo que sejam bloqueadas 16 contas bancárias movimentadas pelo grupo suspeito e apreendidos documentos que comprovem que o dinheiro saiu do Brasil irregularmente. Juntas, essas contas movimentaram cerca de US$ 862 milhões em 15 anos. As empresas localizadas em paraísos fiscais norte-americanos que serão alvos de investigação por estarem supostamente ligadas à Universal são: Milano Finance, Florida Financial Group, Pelican Holdings, Ourinvest, Dartley Holdings e a Beacon Hill, que já foi fechada pela promotoria de Nova York por causa de remessa ilegal de fundos para ilhas fiscais no México.

De acordo com o Ministério Público de São Paulo, a lavagem do dinheiro orquestrada por Edir Macedo funcionava da seguinte maneira: os pastores pegavam a contribuição dos fiéis e a Universal repassava para a Unimetro e para a Cremo que, por sua vez, mandavam para duas empresas fora do Brasil, a Investholding e a Cableinvest. As duas têm sedes em paraísos fiscais e também são controladas pelo grupo de Macedo, segundo os promotores. Em seguida, o dinheiro voltava ao Brasil na forma de empréstimos a pessoas físicas ligadas a Edir Macedo.

Com os empréstimos feitos pelo grupo de Macedo na Investholding e na Cableinvest, de acordo com os promotores, foi comprada por US$ 22 milhões a TV Record do Rio de Janeiro, em 1992. Em seguida, os bispos compraram a TV Record de Itajaí, em Santa Catarina, e passaram a expandir o negócio. Nenhum integrante da Igreja Universal quis comentar as acusações e a participação das autoridades estrangeiras nas investigações. Ontem mesmo, a assessoria jurídica da instituição religiosa mandou representantes aos Estados Unidos para contratar empresas para defendê-la perante a promotoria de Nova York.

  • Os acusados

    • Edir Macedo

    • Alba Maria da Costa

    • Edilson da Conceição Gonzáles

    • Honorilton Gonçalves da Costa

    • Jerônimo Alves Ferreira

    • João Batista Ramos da Silva

    • João Luís Dutra Leite

    • Maurício Albuquerque e Silva

    • Osvaldo Scriorilli

    • Veríssimo de Jesus

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade