Publicidade

Correio Braziliense

Marina Silva acusa governo de plágio

Em Minas, candidata do PV à Presidência diz que o Ministério da Justiça copiou projeto de segurança pública e promete manter o Programa de Aceleração do Crescimento, se eleita


postado em 14/08/2010 07:00


A presidenciável Marina Silva elogiou a política externa do atual governo (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
A presidenciável Marina Silva elogiou a política externa do atual governo (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Belo Horizonte — A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, acusou ontem o governo federal de plágio por lançar programa na área de segurança formulado por Luiz Eduardo Soares, responsável pela política para a área na hipótese de vitória do partido nas eleições. Segundo Marina, que fez campanha em Belo Horizonte (MG) ontem, a iniciativa foi apresentada, antes do período de campanha, a Tarso Genro — que esteve à frente do Ministério da Justiça entre 2007 e 2010 — e adotada quando o governo federal tomou conhecimento de que integraria os projetos da candidata verde. A proposta prevê um plano de recuperação de usuários de drogas, de forma especial o crack, com atuação de psicólogos, médicos e familiares.

Marina afirmou não ter se importado com o comportamento do governo. “Não perdi, ganhei, porque, caso não fosse assim, teria de esperar a minha vitória para que o programa fosse implantado”, argumentou. Apesar de poupar o governo no episódio do suposto plágio, Marina não deixou de criticar a atuação da administração federal em outros setores. De acordo com a candidata, na política externa, por exemplo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva “perdeu a oportunidade, sendo o país de tradição democrática, de não ter afirmado esses princípios na questão dos presos políticos cubanos e em relação ao Irã”. Por outro lado, Marina disse ter notado avanços nas relações exteriores do país em relação à África e no protagonismo que mantém no G-20, o grupo dos 20 países mais desenvolvidos do mundo.

A candidata afirmou que, se eleita, vai manter o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), criado pelo governo Lula, mas que, ao mesmo tempo, adotará medidas que, juntas, se transformarão em um plano para investimentos em infraestrutura nos próximos “20, 30, 40 anos”. Marina também declarou que pretende, se eleita, seguir com o programa Minha casa, minha vida, mas com alterações. “Vamos acrescentar qualidade de vida, para que possam morar melhor e ter mais qualidade no deslocamento para o trabalho”, disse.

Marina fez campanha em Minas ao lado do candidato do PV ao governo de Minas Gerais, José Fernando de Oliveira. Além de gravar programa para o horário eleitoral gratuito, visitou a Santa Casa. A candidata negou haver polarização na disputa presidencial entre a presidenciável do PT, Dilma Rousseff, e o concorrente do PSDB, José Serra. “O eleitor saiu do anonimato e vai mostrar que eleição se ganha não com dinheiro ou tempo de televisão, mas com mobilização”, disse.


"O eleitor saiu do anonimato e vai mostrar que eleição se ganha não com dinheiro ou tempo de televisão, mas com mobilização”

Marina Silva, presidenciável do PV




O número
52 %
Estimativa do TSE sobre o percentual de eleitores do sexo feminino

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade