Publicidade

Estado de Minas

PF conclui inquérito do mensalão


postado em 04/04/2011 08:22

Quase seis anos depois da denúncia feita pelo ex-deputado federal cassado Roberto Jefferson (PTB-RJ), a Polícia Federal concluiu o inquérito sobre o caso. O calhamaço de 332 páginas foi enviado ao relator do mensalão no Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, em fevereiro e apresenta conteúdo revelador. A investigação confirma o esquema de desvio de dinheiro público para compra de apoio político no Congresso Nacional e para o caixa 2 de campanhas eleitorais de petistas e aliados.

Nas últimas semanas, a notícia de que um dos crimes listados no rol do mensalão, de formação de quadrilha, prescreveria em julho, colocou uma interrogação sobre o julgamento dos 38 políticos e empresários denunciados no esquema. Os planos de Barbosa incluem julgar o caso até o fim do ano, mas o tamanho do processo e o grande número de acusados deve empurrar a análise final para o ano que vem. O ministro já entregou o inquérito final da PF para o procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

O texto produzido pela Polícia Federal mostra que a denúncia do mensalão foi comprovada por meio dos depoimentos de 100 testemunhas e da análise de um material que ia da movimentação financeira de centenas de contas bancárias até a documentos internos das empresas. A corporação concluiu que agências de publicidade desviavam verba pública por meio de contratos superfaturados ou fictícios. O dinheiro ia parar sistematicamente na conta de políticos de cinco partidos.

Depois de a denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República ter sido aceita pelo STF em 2007, a Justiça já ouviu testemunhas de defesa e acusação, interrogou os réus e quebrou o sigilo bancário de todos os 38 acusados. Com base no inquérito montado pela PF, a PGR começará o processo de inclusão de provas ao processo, que podem ou não ser aceitas por Joaquim Barbosa. Com a peça completa, a defesa dos acusados ainda terá espaço para alegações finais antes do julgamento, previsto para o ano que vem.

  • Tags
  • #
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade