Publicidade

Estado de Minas

Vicentinho rebate acusação de envolvimento no mensalão


postado em 04/04/2011 20:15

O deputado Vicentinho (PT-SP) usou nesta segunda-feira (4/4) a tribuna da Câmara para se defender das acusações de envolvimento com o chamado esquema do mensalão (pagamento de propina a parlamentares para votar a favor do governo). Vicentinho, citado como beneficiário do esquema pela imprensa neste final de semana, disse estar surpreso com a notícia e nega qualquer envolvimento seu com o mensalão.

O parlamentar afirmou que nunca teve qualquer tipo de “transação” com Nélio José Batista. Durante as investigações, a Polícia Federal constatou que Nélio recebe, em 2004, R$ 17 mil de uma agência que faz a campanha de Vicentinho à prefeitura de São Bernardo do Campo (SP). Consta que Nélio alegou à PF que trabalhou na agência para a campanha do candidato. “Hoje sou surpreendido com essa matéria, sete anos depois.”

O deputado diz que Nélio nunca foi seu assessor e que nunca trabalhou para ele. “A não ser que ele tenha sido uma espécie de eminência parda da agência e que nunca se mostrou. Considero um erro grave a Polícia Federal ter ouvido o sr. Nélio e, em nenhum momento, durante sete anos, ter procurado a mim ou à minha assessoria para nos ouvir, pondo em riso a nossa história de vida de forma irresponsável.”

O petista disse, em nota à imprensa, que em 2003 procurou o então tesoureiro do PT, Delúbio Soares, para pedir apoio à sua candidatura a prefeito. Em 2004, acrescentou, Delúbio mandou uma agência de propaganda para fazer a sua campanha e também a do candidato do PT em Osasco (SP). Ele disse que só depois soube que a agência pertencia a Marcos Valério.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade