Publicidade

Estado de Minas

Kassab descarta fusão com PSB


postado em 06/04/2011 09:14

Depois de traçar um caminho errático para concretizar a desfiliação do DEM e criação de um novo partido, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, anunciou ontem ter desistido da ideia de fundir o PSD ao PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Ele alegou que o nascente Partido Social Democrático ganhou musculatura própria, com apoio concreto em nove estados e deve chegar ainda neste mês a 14.

Kassab rejeitou críticas de que o PSD esteja se tornando uma agremiação sem identificação ideológica. “Todos estão afinados”, afirmou o prefeito paulistano, citando a decisão da senadora Katia Abreu (DEM-TO) de se juntar à empreitada. Segundo ele, por conta da unidade de pensamento dos novos filiados e do crescimento da futura legenda, não há mais intenção de o PSD tornar-se apenas uma ponte. “A ideia está abandonada”, disse, antes de encontro da Frente Nacional de Prefeitos, em Brasília.

Até agora, o PSD ganhou adesão de políticos originários de uma gama de partidos como DEM, PMN e PP. Entre os apoiadores, além de Katia Abreu, representante dos ruralistas no Congresso, estão o vice-governador da Bahia, Otto Alencar (PP), aliado do PT; o governador do Amazonas, Omar Aziz (PMN); o vice-governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PMN).

Além de descartar a fusão, Kassab afirmou ainda que não pretende transformar o PSD em mais uma legenda da base governista da presidente Dilma Rousseff. Limitou-se a sustentar que quer ajudá-la no Congresso. O recado é uma forma de atrair novos políticos com postura oposicionista. O principal deles, o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (DEM).

Serra
Para a sua sucessão em São Paulo, Kassab classificou o ex-governador e candidato derrotado à Presidência José Serra como melhor nome. “Seria bom para a cidade e eu o apoiaria, mas ele (Serra) não quer”, afirmou. Por isso, o administrador da capital já lançou uma lista tríplice: o atual vice-governador Guilherme Afif Domingos, que era do DEM e anunciou que irá ao PSD também; o atual secretário do Meio Ambiente, Eduardo Jorge (PV), que até 2002 era filiado ao PT; e Fernando Vidal, ex-secretário estadual de Planejamento.

Kassab disse não ver o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), como adversário, evitou comentar a alfinetada que o tucano deu no novo partido, mas admitiu que o novo partido vai competir na faixa do eleitorado que se espelha no PSDB. “É o direito dele de divergir. Não tem cabimento achar que todos vão concordar comigo”, afirmou. “O PSD vai ser um partido voltado para a classe média”, disse, classificando Afif, com origem nas organizações de comércio, como a essência da classe média.

Cronologia da nova legenda

Início
No dia seguinte ao fim do segundo turno da eleição presidencial, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, admite que gostaria de deixar o DEM. A primeira ideia seria formar um partido com parte de insatisfeitos do PMDB e do DEM, resgatando a sigla histórica MDB.

Avanço
Duas semanas depois, a ideia de refundação do antigo MDB com figuras do antigo PFL naufraga e abre-se a discussão sobre a filiação de Kassab ao PMDB. O prefeito gosta da ideia e já passa a admitir abertamente a saída do DEM.

Visão
A ideia de Kassab é ocupar um espaço no PMDB paulista aberto com a morte do ex-governador Orestes Quércia. O maior espólio do partido é o tempo de televisão, essencial para uma candidatura competitiva ao governo de
São Paulo em 2014.

Decepção

O DEM, em meados de janeiro, engrossa a crítica a Kassab e diz que vai lutar na Justiça contra a desfiliação. Surge em fevereiro a ideia de um novo partido, o que é permitido pela Justiça Eleitoral.

Fusão
Depois de muito namoro, Kassab desiste de fundir a nova agremiação ao PMDB por considerar a tarefa impossível. Para ser aprovada, a união das legendas precisaria ter apoio dos mais de 5 mil diretórios municipais do PMDB.

PSB

O presidente do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, conversa com Kassab e oferece para ele a legenda. O prefeito abre negociação com os socialistas e busca saída jurídica para legalizar a desfiliação do DEM.

PDB
O primeiro nome da nova agremiação é Partido da Democracia Brasileira, considerado apenas uma ponte para a fusão com o PSB de Eduardo Campos

Repaginação
No mês passado, o PDB vira PSD e Kassab diz a aliados que estuda a ideia de levar a legenda para frente e não se fundir mais com o PSB.

Decisão
Em abril, Kassab anuncia que abandonou a ideia de fusão por considerar que o PSD ganhou musculatura e deverá estar bem em 14 estados. Até agora, o partido já tem nomes fortes em nove.

  • Tags
  • #
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade