Publicidade

Estado de Minas

Foco no combate à pobreza extrema


postado em 23/07/2011 08:00 / atualizado em 23/07/2011 10:50

A Bolsa Verde poderá pagar até um salário mínimo para famílias que vivem em situação de extrema pobreza e ajudarem a preservar florestas e reservas extrativistas, segundo disse ontem a presidente Dilma Rousseff. No lançamento do programa Brasil sem Miséria, o benefício anunciado era de R$ 300.

Dilma reforçou a importância do combate à pobreza extrema em seu governo e lembrou as iniciativas de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, para a ascensão social de milhões de pessoas nos últimos oito anos. “Nós retiramos da miséria praticamente uma Argentina. Foram 39,5 milhões de pessoas.” Ela sustentou que pretende focar as ações nas regiões mais fragilizadas do Norte e do Nordeste com a construção de poços artesianos e programas de irrigação por meio da transposição do Rio São Francisco. Todas essas ações estão contemplados no Brasil sem Miséria.

A presidente disse ainda que o valor do benefício para quem ajudar a manter florestas em pé poderá variar entre R$ 200 e R$ 545, valor do salário mínimo. O acesso ao dinheiro será assegurado para quem se integrar ao Bolsa Família e apresentar um programa de proteção ambiental ao Ministério do Meio Ambiente, que ficará responsável pelos repasses financeiros.

A proposta do Brasil sem Miséria é retirar da pobreza 16,2 milhões de pessoas até o fim do mandato de Dilma. Nos próximos dois anos, a ideia é encontrar famílias que ainda não são atendidas por nenhum programa do governo federal. Estima-se que sejam entre 700 mil e 800 mil. Os dados estão sendo coletados por meio do cruzamento de vários cadastros, entre eles, os da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os técnicos do governo têm dificuldade para filtrar os dados por entender que, durante os oito anos do governo Luiz Inácio Lula da Silva, o Bolsa Família ganhou ampla capilaridade nos grotões do país.

Além do recurso, as famílias mais pobres incluídas no Bolsa Verde terão um recurso de até R$ 2,4 mil por família durante dois anos para a aquisição do terreno onde moram. Além disso, está previsto o financiamento para a construção de 600 mil cisternas para a produção agrícola e 700 mil para consumo. “Vamos construir poços artesanais porque, sem água, não se resolve a miséria no semi-árido”, afirmou a presidente ontem.

Dependentes
O Brasil sem Miséria também aumentou de três para cinco o número de dependentes de até 15 anos que poderão ser contemplados pelo Bolsa Família. Isso elevará para 1,3 milhão de crianças e adolescentes beneficiados. Atualmente, são 15,7 milhões de pessoas de até 15 anos inscritas nos cadastros do governo federal.

O governo considera uma das partes mais relevantes do Brasil sem Miséria os projetos de qualificação profissional que vão servir como “portas de saída” para que os contemplados por recursos do Estado tenham uma alternativa financeira e consigam se livrar da dependência federal. Em Guaribas (PI), por exemplo, cidade considerada modelo durante o lançamento do programa Fome Zero, em 2003, a grande maioria da população recebe o Bolsa Família, mas não encontra programas do governo para conseguir buscar outras opções financeiras. (LCA e TP)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade