Publicidade

Estado de Minas

CPI vai investigar irmão do senador Demóstenes Torres

Gravações mostram que, além de tentar direcionar investigações, Demóstenes Torres defendeu interesses do grupo de Carlos Cachoeira no Ministério Público de Goiás. Procurador-geral do estado, Ronald Bicca, entrega o cargo


postado em 15/04/2012 09:00

Novas gravações da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal,  reforçam as promessas de ingerência do senador goiano Demóstenes Torres (sem partido-GO), por determinação do bicheiro Carlinhos Cachoeira, em questões internas do Ministério Público (MP) de Goiás. Nas conversas, o contraventor ordena que o parlamentar acione o irmão Benedito Torres, procurador-geral da Justiça de Goiás, para resolver assuntos de interesse do bicheiro. Ontem, o procurador-geral do estado, Ronald Bicca, entregou o cargo, após as revelações publicadas pelo Correio.

Em uma das interceptações telefônicas, de maio do ano passado, Cachoeira pede a Demóstenes que consiga um promotor de Justiça goiano com posicionamento público contra a permanência da transportadora Gabardo (que aparece nas gravações como Gabarno) no Distrito Agroindustrial da cidade de Anápolis. Cerca de 20 dias depois, Cachoeira telefona para o senador e se queixa de que a procuradora de Anápolis designada para dar as declarações encomendadas pelo bicheiro não teria se posicionado contra a empresa. “(…) Ela falou ‘não, não tenho nada contra essa empresa aqui não, não vou fazer nada não’”, reclamou o contraventor.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade