Publicidade

Estado de Minas

Terceirizada do ICMBio é acusada de usar empresa como cabide de empregos

Funcionária terceirizada de 25 anos é presa por desviar dinheiro do órgão federal para a conta de parentes


postado em 07/12/2013 08:00

Na operação, a Polícia Federal apreendeu R$ 32,8 mil em espécie(foto: Amanda Almeida/Divulgação)
Na operação, a Polícia Federal apreendeu R$ 32,8 mil em espécie (foto: Amanda Almeida/Divulgação)


Uma ex-funcionária terceirizada do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) é acusada de usar o órgão ambiental do governo como cabide de empregos fantasmas para desviar recursos para o bolso da própria família. A Polícia Federal deflagrou ontem a Operação Desfalco, em Brasília, que acabou com a prisão dela e de dois tios. Os investigadores sustentam que, desde 2010, a servidora repassou R$ 1,84 milhão para parentes como se eles trabalhassem no instituto.

A jovem, de 25 anos, cuja identidade não foi revelada, tinha acesso ao sistema de pagamento do órgão federal e inseriu o nome de pelo menos cinco parentes como funcionários ou prestadores de serviço do ICMBio. “Ela começou o golpe com valores menores, como uma espécie de teste. Ao se sentir segura, passou a fazer repasses maiores, chegando a R$ 150 mil por mês”, relata o delegado Wesley Almeida, um dos responsáveis pelas investigações.

Um tio da ex-funcionária chegou a receber R$ 600 mil, entre 2010 e este ano. O dinheiro era imediatamente sacado e gasto com eletrodomésticos, joias, jantares em restaurantes caros, salões de beleza… Ela comprou também dois lotes no Novo Gama, no Entorno, onde construía casas. Durante a operação, dois carros e R$ 32,8 mil em espécie foram apreendidos. Nove contas-corrente de sete pessoas foram bloqueadas.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade