Publicidade

Estado de Minas PETROBRAS

Na Câmara, Nestor Cerveró rebate TCU sobre prejuízos em Pasadena (EUA)

Em depoimento na CPMI da Câmara, ex-diretor respondeu a argumentação do Tribunal de Contas da União. Em julho, corte condenou a diretoria por prejuízo de US$ 792 milhões


postado em 10/09/2014 17:38 / atualizado em 10/09/2014 17:47

O ex-diretor da área internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró, respondeu hoje às acusações levantadas contra ele pelo ministro do TCU José Jorge, relator do processo que julgou a compra da refinaria de Pasadena (EUA). Em julho, a corte de contas considerou a diretoria executiva da empresa, integrada por Cerveró à época, responsável por um prejuízo de US$ 792 milhões na compra da refinaria. “Não concordo com esses prejuízos indicados pelo TCU, porque está tudo sendo explicado adequadamente. É importante ressaltar que nós não tivemos ainda oportunidade de nos defender perante as acusações do TCU”, disse ele.

Cerveró também confirmou que a compra foi autorizada pela Diretoria Executiva, mesmo depois do valor negociado ter ultrapassado em 50% a cifra paga pela Astra Oil aos donos da refinaria, meses antes. “Nós insistimos na compra, porque... repare que aí entra o trabalho de avaliação que foi feito não só pela nossa equipe, mas por uma série de empresas, que validaram essa proposta. Nas avaliações que foram feitas, esse valor se enquadrava dentro das análises feitas”, disse Cerveró. “Não é pela questão de quanto tinha sido pago (pela Astra Oil). É de quanto valia. Essa refinaria, o custo por barril dela fica abaixo da média do custo das demais refinarias americanas”, continuou o ex-diretor da Petrobras.

O ex-diretor também rebateu outro ponto relator do caso na CPI, o deputado Marco Maia (PT-RS). O relator lembrou uma avaliação independente contratada pela Petrobras, feita pela petroleira americana Muse Stancil. Segundo o TCU, a Muse teria estimado o valor da refinaria em cerca de US$ 180 milhões, bem abaixo dos US$ 360 milhões pagos pela Petrobras na primeira fase da compra. “Esse é um dos equívocos na análise do TCU”, disse. “Essa consultoria é contratada não para estabelecer o preço (...) A Muse Stancil produziu 27 cenários de preços, desde a refinaria “as it is” (como se encontra) até as possibilidades de lucro. Eles criam cenários que permitem o julgamento do preço a ser pago”, disse Cerveró.

Leia mais notícias de Política

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade