Publicidade

Estado de Minas

Petrobras volta a pedir acesso ao depoimento de Paulo Roberto Costa

Em ofício, advogado da estatal diz não querer informações de mencionados com "foro privilegiado", mas do corpo funcional da empresa


postado em 18/09/2014 13:52 / atualizado em 18/09/2014 14:03

Dez dias após pedir o acesso ao teor da delação premiada do ex-diretor de abastecimento e refino da Petrobras Paulo Roberto Costa à Justiça Federal, a estatal Petrobras voltou a requerer nesta quinta-feira (18/9) os depoimentos ao juiz Sérgio Fernando Moro. Em ofício ao juiz de Curitiba, o advogado da Petobras, René Dotti, reitera que a pretoleira não "quer acesso às informações que digam respeito a autoridades com 'foro privilegiado'" rebatendo a recomendação do juiz de que o pedido fosse refeito ao Supremo Tribunal Federal (STF). "O pleito é claro no sentido de que o seu interesse diz respeito ao seu corpo funcional e empresas com quem mantém (ou manteve) relações comerciais. O seu objetivo, com a obtenção dessas informações, é promover procedimentos internos para apurar responsabilidades de empregados do passado e do presente, bem como verificar a lisura das empresas por ela contratadas e procedimentos de contratação", diz o advogado no ofício à Justiça Federal.

René Dotti pede que seja analisado novamente o pedido para a liberação dos trechos mencionados "cujo teor não guarda relação com autoridades com prerrogativa de foro", diz. Em 8 de setembro, a Petrobras enviou o primeiro pedido às informações do depoimento do ex-diretor. Na ocasião, a estatal informou, por meio de nota, que Comissões Internas de Apuração foram instaladas. "É de interesse da direção da empresa ver a conclusão de todas as investigações em curso por todos aqueles órgãos. Com este propósito, continuará contribuindo para que isto ocorra rápida e eficazmente".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade