Publicidade

Estado de Minas

Sob a sombra da Lava-Jato, Renan Calheiros é preocupação para o Planalto

É a quarta vez que o peemedebista é eleito presidente da Casa


postado em 02/02/2015 07:30 / atualizado em 02/02/2015 07:39

Renan Calheiros (PMDB-AL) foi reeleito ontem presidente do Senado em sessão de voto secreto. Com receio de a vitória do único adversário, senador Luiz Henrique (PMDB-SC), ser atribuída ao apoio da oposição, a base governista aderiu à candidatura de Renan, que obteve 49 votos contra 31 do correligionário. Houve um voto nulo. Fiel ao Palácio do Palácio do Planalto nos dois anos anteriores, o peemedebista traz agora uma preocupação ao governo: o suposto envolvimento no esquema investigado pela Operação Lava-Jato.

Renan Calheiros tira fotos no plenário, após vitória para a presidência do Senado, no dia em que a sensação no Congresso foram os paus de selfie(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Renan Calheiros tira fotos no plenário, após vitória para a presidência do Senado, no dia em que a sensação no Congresso foram os paus de selfie (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)


É a quarta vez que Renan é eleito presidente da Casa. Dos três mandatos anteriores, não cumpriu integralmente o segundo. Em 2007, precisou renunciar ao comando do Senado depois de ser acusado de uma série de irregularidades, como usar notas frias para comprovar a renda com que bancava despesas de uma amante. Este ano, Renan enfrentou disputa mais dura do que a de 2013, quando venceu o então senador Pedro Taques (PDT-MT) por 56 votos a 18.

Leia mais notícias em Cidades

Embora a disputa tenha sido mais difícil para o peemedebista no plenário, Renan conseguiu se reeleger sem os protestos populares que enfrentou dois anos atrás. Na época, um abaixo-assinado com mais de 1,5 milhão de signatários foi entregue ao Senado contra a eleição do senador. Para evitar os holofotes, Renan optou pela estratégia do silêncio. Só anunciou a candidatura à reeleição na última semana, quando foi obrigado a mudar de tática após o lançamento do nome de Luiz Henrique.

PT decisivo
Aécio Neves (PSDB-MG) atribuiu a vitória do peemedebista ao PT. “O senador Renan deve uma palavra especial de agradecimento à bancada do PT que, mais do que a do PMDB, seu próprio partido, garantiu a sua vitória. O que eu espero é que o senador Renan seja neste seu mandato mais presidente de um Poder e menos aliado do Poder Executivo”, disse Aécio. O líder do PT na Casa, Humberto Costa (PE), rebateu: “Parece que Aécio não aceitou até agora a derrota que sofreu nas eleições presidenciais”.

No Planalto, Renan é visto como o presidente que “mata no peito” quando necessário, mas que cobra uma retribuição cara. A maior preocupação do governo hoje é se ver atrelado ao apoio de um presidente investigado ou réu na Operação Lava-Jato, caso o peemedebista seja denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Renan teria sido citado por delatores do esquema de corrupção na Petrobras.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade