Publicidade

Estado de Minas

Justiça começa a ouvir testemunhas de ações penais da Operação Lava-Jato

Entre as pessoas que vão prestar depoimento estão a ex-gerente executiva da Petrobras Venina Velosa e a ex-contadora do doleiro Alberto Youssef Meire Bomfim Poza


postado em 02/02/2015 07:39 / atualizado em 02/02/2015 09:08

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava-Jato, começa nesta segunda-feira (02/02) a ouvir as testemunhas de defesa e de acusação arroladas nas ações penais da sétima fase da operação, batizada pela Polícia Federal de "Juízo Final". As audiências seguem até o dia 13 deste mês.

Entre as pessoas que vão prestar depoimento estão a ex-gerente executiva da Petrobras Venina Velosa, a ex-contadora do doleiro Alberto Youssef Meire Bomfim Poza, o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa e funcionários da empresa, além de Augusto Ribeiro e Julio Gerin, delatores do cartel de empreiteiras que está sendo investigado.

Leia mais notícias em Política

Em dezembro do no passado, segundo notícia divulgada pelo jornal Valor Econômico, Venina teria alertado a direção sobre um esquema de corrupção na empresa e, em função disso, teria sido perseguida, ameaçada de morte, transferida para um escritório da estatal em Cingapura, na Ásia, e depois afastada de suas funções.

Na ocasião, a Petrobras informou que tomou todas as providências para elucidar os fatos citados na reportagem do jornal. Segundo a empresa, “não procede a afirmação de que não houve apuração por parte da companhia” em nenhum dos casos citados por Venina.

A pedido do Ministério Público Federal, o juiz Sérgio Moro abriu ação penal contra executivos das empreiteiras Engevix, OAS, Galvão Engenharia, Mendes Júnior, Camargo Corrêa e
UTC Engenharia.

O doleiro Alberto Youssef, o ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró, o ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, também são réus nas ações penais da sétima fase da Lava-Jato.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade