Publicidade

Estado de Minas

Fundações partidárias viram cabides de emprego para políticos derrotados

Sem mandato, ex-deputados, ex-ministros e até um ex-candidato à vice-presidência da República foram realocados em cargos


postado em 09/02/2015 08:00

Detentoras de um orçamento de mais de R$ 66 milhões e sem necessidade de prestar conta dos gastos dos recursos públicos, fundações partidárias viram cabides de emprego para políticos derrotados nas urnas. Sem mandato, ex-deputados, ex-ministros e até um ex-candidato à vice-presidência da República foram realocados em cargos — muitos deles remunerados — dentro das instituições para defender, nos próximos anos, as ideologias das siglas de que participam.

Albuquerque não se elegeu vice-presidente e terá salário da Fundação João Mangabeira(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Albuquerque não se elegeu vice-presidente e terá salário da Fundação João Mangabeira (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)


Presidida anteriormente pelo ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, a Fundação Ulysses Guimarães, do PMDB, passou a ser comandada pelo ex-ministro da pasta Moreira Franco. Peemedebistas dizem que a função não é remunerada. Porém, o presidente da fundação terá nas mãos um orçamento de, pelo menos, R$ 8 milhões para deliberar. Esse foi o valor repassado pelo fundo partidário em 2013, quando o PMDB recebeu R$ 43.433.316,47.

Moreira Franco deixa a Aviação Civil e desembarca em entidade mantida pelo PMDB (foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press)
Moreira Franco deixa a Aviação Civil e desembarca em entidade mantida pelo PMDB (foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press)


Cada um dos 32 partidos mantém seu estatuto e, nele, as regras de repasses para as fundações partidárias. Essas instituições são livres para remunerar ou não os dirigentes, a depender do que rezam os termos delas. No caso do PSB, por exemplo, o vice-candidato à Presidência da República derrotado nas urnas pela chapa encabeçada por Marina Silva (PSB), Beto Albuquerque (RS), vai receber salário ao assumir o cargo de vice da Fundação João Mangabeira. “Ele precisa se manter”, contou um socialista.

Leia mais notícias em Política

A principal cadeira do instituto, porém, deve continuar com Renato Casagrande, eleito presidente no fim do ano passado. Em 2013, a instituição contou com um orçamento de R$ 4.829.857,66. Os dados são de 2013, porque os valores de 2014 só serão repassados ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em abril. A quantia da remuneração salarial dos cargos não foi informada pela instituição.

Na Fundação Leonel Brizola e Alberto Pasqualini, ligada ao PDT, a nova direção só deve ser definida em março, com a eleição da direção do partido. Atualmente, a fundação é presidida pelo ministro do Trabalho, Manoel Dias. Segundo o presidente do PDT, Carlos Lupi, está prevista a troca da presidência. Porém, desde que assumiu o ministério, Manoel Dias continua assinando os cheques da fundação, mesmo estando à frente da pasta.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade