Publicidade

Estado de Minas

Ministro Cid Gomes ataca base aliada no Congresso: "larguem o osso"

Após reafirmar ataques a deputados em plenário, o ministro deixou o governo; Eduardo Cunha anunciou a demissão de Gomes no fim da tarde


postado em 18/03/2015 17:28 / atualizado em 18/03/2015 18:24

O ministro acredita que partidos da base tem o dever de apoiar as decisões do governo, senão devem
O ministro acredita que partidos da base tem o dever de apoiar as decisões do governo, senão devem "largar o osso" e ir para a oposição (foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados)

 

Em meio ao clima tenso entre o govenro da presidente Dilma Rousseff e a base, o ministro da Educação, Cid Gomes, reforçou no Plenário da Câmara dos Deputados que há entre 300 e 400 deputados “achacadores”, para quem “quanto pior, melhor”. Ele dirigiu as críticas à base e chegou a apontar para o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ao se referir a parlamentares que deveriam apoiar o Executivo. “Partidos de situação têm o dever de ser situação ou então 'larguem o osso', saiam do governo, vão para a oposição”, afirmou. No final da tarde, Cunha anunciou a demissão de Cid Gomes, após ser comunicado por Aloizio Mercadante.

Mais cedo, em resposta aos ataques, o deputado Leonardo Picciani (PMDB/RJ), líder do partido, afirmou que Gomes desrespeitou as regras de convivência democrática e perdeu as condições de continuar no cargo. Ele afirmou que a base existe, mas “não é cega” e não concorda com tudo que vem do governo. “Não reconheço autoridade em vossa excelência para criticar parlamento brasileiro”, afirmou Picciani a Gomes.

Leia mais notícias em Política

O ministro veio explicar declaração feita durante uma visita à Universidade Federal do Pará, quando afirmou que “tem lá [no Congresso] uns 400 deputados, 300 deputados que, quanto pior, melhor para eles. Eles querem é que o governo esteja frágil porque é a forma de eles achacarem mais, tomarem mais, tirarem mais dele, aprovarem as emendas impositivas”. A visita estava agendada para quarta-feira passada, mas o ministro não pôde comparecer por estar internado no Hospital Sírio Libanês com suspeita de pneumonia.

Segundo Gomes, a frase foi dita em reunião a portas fechadas no gabiente da reitoria da universidade, em resposta a estudantes que contestavam medidas recentes do governo, como o corte de R$ 7 bilhões no orçamento da Educação e as restrições ao Fundo de Financiamento Estudantil. Ele explicou que tecnicamente, não havia corte, uma vez que o orçamento de 2015 ainda não havia sido votado pelo Legislativo. Os jovens afirmaram que se o governo quisesse, já havia aprovado, e ele respondeu que “infelizmente na Câmara tem cerca de 400, foi tão despretensiosamente que imediatamente disse que 300 que para eles quanto pior melhor”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade