Publicidade

Estado de Minas

CPI da Petrobras ouve hoje depoimento de doleiro investigado na Lava-Jato

Raul Srour integrava grupo de Alberto Youssef e tinha movimentação bancária que chegava a R$ 800 mil por dia.


postado em 20/08/2015 11:04 / atualizado em 20/08/2015 11:21

A CPI da Petrobras ouve nesta quinta-feira, 20, o depoimento do doleiro Raul Srour, ligado ao grupo da também doleira Nelma Kodama, e um dos investigados na Operação Lava Jato. Srour já encaminhou à comissão um habeas corpus concedido pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, que lhe dá o direito a ficar calado na oitiva.

Em depoimento nesta semana, o ex-gerente geral da agência do Banco do Brasil onde o doleiro tinha conta em São Paulo, José Aparecido Augusto Eiras, disse que Srour tinha uma movimentação bancária que chegava a R$ 800 mil por dia. O doleiro era dono da Distri-cash, que comprava e venda papel moeda.

Também será ouvido na comissão o diretor da TOV corretora de câmbio Fernando Francisco Brochado Heller. A TOV entrou nas investigações porque atendeu ao grupo de Nelma Kodama. Ele faltou ao depoimento anterior alegando que sua advogada estava fora do País e que não poderia acompanhá-lo na sessão.

Estavam previstos para esta manhã os depoimentos dos doleiros Paulo Pires de Almeida e Marco Ernest Matalon. O primeiro não justificou a ausência. Aos 85 anos, Matalon alegou que está doente e se dispôs a falar em São Paulo ou dar respostas à CPI por escrito.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade