Publicidade

Correio Braziliense

Jornalista Vladimir Netto lança livro sobre Sergio Moro e os bastidores da Lava-Jato

Obra relata investigação iniciada há dois anos e mostra as razões do êxito do trabalho do juiz Sérgio Moro. Lançamento, em Brasília, será nesta quarta-feira (6/7) , no Shopping Iguatemi


postado em 05/07/2016 11:20

(foto: Reprodução da Internet/Facebook.com)
(foto: Reprodução da Internet/Facebook.com)

O jornalista Vladimir Netto lança, nesta quarta-feira (6/7), na Livraria Cultura, do Shopping Iguatemi, o livro-reportagem Lava-Jato - o juiz Sérgio Moro e os bastidores da operação que abalou o Brasil. A obra, que acompanha a operação desde o início, em março de 2014, vai pouco a pouco revelando os principais desdobramentos que expuseram o maior escândalo de corrupção no país.

Leia mais notícias em Política

Uma rede de doleiros que avançou sobre um vasto esquema de corrupção onde políticos e empreiteiras juntos desviaram recursos milionários da Petrobras e de outras estatais. A trama real ganhou não só as páginas dos principais jornais do país como se transformou em uma obra descrita pelo jornalista.

Os dois primeiros anos de uma das mais complexas investigações policiais do país estão detalhados com riqueza de informações de bastidores nas páginas de Lava-Jato. O livro-reportagem revela, com certo suspense, os principais desdobramentos que expuseram o maior escândalo de corrupção do Brasil. Netto aponta, à medida que a operação avança, quem são os personagens-chave do processo: doleiros, dirigentes da Petrobras, políticos e empreiteiros e como se articularam para desviar bilhões dos cofres da estatal.

Na cobertura jornalística desde deflagrada a investigação, em março de 2014, Netto aceitou o desafio de contar uma história ainda em andamento. Convidado no Natal de 2014, bateu o martelo uma semana depois, em 1° de janeiro de 2015. A cada dia, um capítulo das investigações ganhava ares de literatura nas páginas do seu livro. “Em dois anos já tem muito história para contar. Essa investigação é muito importante para o Brasil, frisamos que ela não acabou e que temos o interesse de continuar”, contou, lembrando que espera lançar o segundo volume com as novas fases da operação daqui a dois anos.

Ao todo, o livro-reportagem traz mais de 130 horas de entrevistas, além de conversas com todos os envolvidos para fazer uma reconstituição dos crimes, com entrevistas exclusivas. Em 17 meses, Netto abriu mão de férias e tempo livre para se dedicar a retratar essa história. Ele procurou delatores da investigação e colheu registros que constam nos inquéritos policiais e judiciários. “A proposta do livro sempre foi fazer uma reconstituição, um registro, uma reportagem de tudo o que aconteceu”, descreveu.

O repórter conta que, para escrever o livro, buscou responder a perguntas instigantes. “A pergunta que busquei foi por que essa operação foi mais longe. Por que ela foi mais bem-sucedida em relação a outras que a gente viu começar de forma espetacular e terminar de forma melancólica? E o mais legal era contar como ela começou. Esse sempre foi meu objetivo porque muitos mistérios ainda são investigados.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade