Publicidade

Correio Braziliense

Cármen Lúcia diz que áudios da JBS agridem 'dignidade' do STF

A ministra presidente do Supremo Tribunal Federal pediu que os áudios sejam investigados


postado em 05/09/2017 19:34 / atualizado em 05/09/2017 19:54

(foto: Tania Rego/Agência Brasil)
(foto: Tania Rego/Agência Brasil)


A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse, em nota divulgada nesta terça-feira (5/9), que os áudios sob suspeita de executivos da JBS agridem a "dignidade" do Supremo. 
 
 

"Agride-se, de maneira inédita na história do país, a dignidade institucional deste Supremo Tribunal Federal e a honorabilidade de seus integrantes", disse a ministra, em pronunciamento em vídeo divulgado pela Corte.

Em gravação entregue pela empresa na última quinta (1º/9) como complemento à delação premiada, Joesley e Saud conversam sobre ministros do STF. No diálogo, ocorrido em março, eles falam sobre as negociações que faziam para fechar o acordo de colaboração.

Leia a nota na íntegra

Ontem, o Procurador Geral da República veio a público relatar fatos que ele considerou gravíssimos e que envolveriam este Supremo Tribunal Federal e seus integrantes. 

Agride-se, de maneira inédita na história do pais, a dignidade institucional deste Supremo Tribunal e a honorabilidade de seus integrantes.

Impõe-se, pois, com transparência absoluta, urgência, prioridade e presteza a apuração clara, profunda e definitiva das alegações, em respeito ao direito dos cidadãos brasileiros a um judiciário honrado.

Enviei agora ao diretor-geral da Polícia Federal e ao Procurador-Geral da República ofícios exigindo a investigação imediata, com definição de datas para o início e conclusão dos trabalhos a serem apresentados, com absoluta clareza, a este Supremo Tribunal e à sociedade brasileira, a fim de que não fique qualquer sombra de dúvida sobre a dignidade deste Supremo Tribunal Federal e a honorabilidade de seus integrantes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade