Publicidade

Correio Braziliense

Senado presta homenagem a Evaristo de Oliveira: 'Grande cidadão brasileiro'

No dia da missa de sétimo dia, o vice presidente do Correio teve sua trajetória exaltada pelo senador Edison Lobão (PMDB-MA)


postado em 28/11/2017 22:14 / atualizado em 28/11/2017 22:17


 
No dia em que foi celebrada a missa em homenagem ao sétimo dia de morte de Evaristo de Oliveira, a memória do vice-presidente do Correio também foi lembrada no Senado Federal. Nesta terça-feira (28/11), durante sessão na Casa, o senador e ex-ministro Edison Lobão (PMDB-MA) fez um discurso exaltando "o grande cidadão brasileiro" que foi Evaristo.
 

"Homem simples, honesto e trabalhador, nascido na bucólica cidade de Luziânia, Evaristo de Oliveira aqui chegou ainda quase adolescente para integrar-se, durante os últimos cinquenta anos, à paisagem humana, intelectual e política da capital da República, onde construiu uma carreira de sucesso como empregado e depois executivo do mais antigo órgão da imprensa brasileira", destacou Lobão.

O senador ainda lembrou a amizade com Evaristo, que teria se estendido "pela vida inteira". "Sempre nos mantivemos em sintonia, compartilhando as mesmas preocupações sobre o cotidiano e o futuro de Brasília e do Brasil.

Era uma figura humana admirável. Pela inteligência e pela cordialidade com que se relacionava com os colegas, com a família e a comunidade, e por sua simplicidade quase franciscana", acrescentou.

Confira o texto do discurso na íntegra:

 
"Senhoras e senhores,
 
Com muito pesar, e por um dever de reconhecimento e gratidão, quero deixar registrado nos anais desta Casa uma homenagem póstuma e merecida a um grande cidadão brasileiro, o doutor Evaristo de Oliveira, vice-presidente do jornal Correio Braziliense, falecido na semana passada, em Brasília.

Homem simples, honesto e trabalhador, nascido na bucólica cidade de Luziânia, Evaristo de Oliveira aqui chegou ainda quase adolescente para integrar-se, durante os últimos cinquenta anos, à paisagem humana, intelectual e política da capital da República, onde construiu uma carreira de sucesso como empregado e depois executivo do mais antigo órgão da imprensa brasileira.

De datilógrafo e vice-presidente da empresa, ele percorreu uma trajetória ascendente, testemunhando e participando da vida ativa de Brasília e dos grandes acontecimentos que marcaram a nossa República nas últimas cinco décadas.

Fui colega de trabalho e me fiz amigo de Evaristo de Oliveira durante uma das fases mais luminosas da minha vida, quando, como jornalista, escrevia a principal coluna política do Correio Braziliense.

Nossa amizade, que nasceu sob a música das rotativas, estendeu-se pela vida inteira, pois sempre nos mantivemos em sintonia, compartilhando as mesmas preocupações sobre o cotidiano e o futuro de Brasília e do Brasil.

Era uma figura humana admirável. Pela inteligência e pela cordialidade com que se relacionava com os colegas, com a família e a comunidade, e por sua simplicidade quase franciscana. Era um patriota, um otimista e um homem de visão. Jamais deixou de acreditar no Brasil e na sua capacidade para vencer todos os seus desafios.

Deixo aqui, portanto, este registro, como um testemunho da grande admiração e da amizade que me uniu a  Evaristo de Oliveira, ao mesmo tempo em que me solidarizo com a sua família na dor da sua perda.

Por fim, os meus melhores cumprimentos ao Correio Braziliense, do qual estou licenciado, por ter oferecido a Evaristo de Oliveira, nestes 50 anos, as oportunidades para ele pudesse cumprir, como cumpriu brilhantemente, as funções que desempenhou nesse importante veículo de comunicação.
Muito obrigado."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade