Publicidade

Correio Braziliense

Corregedor geral critica juiz que supostamente acusou Mendes de corrupção

Em nota, o corregedor geral da Justiça Eleitoral, Napoleão Nunes Maia Filho, diz que adotará "a medida adequada para inibir e reprimir esse procedimento". Em áudio atribuído a ele, juiz que levou Garotinho à prisão sugere que Mendes recebeu dinheiro para livrar o ex-governador


postado em 24/12/2017 17:18

Napoleão Maia Filho (E) e Gilmar Mendes durante julgamento de pedido de cassação da chapa Dilma/Temer, em junho passado (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Napoleão Maia Filho (E) e Gilmar Mendes durante julgamento de pedido de cassação da chapa Dilma/Temer, em junho passado (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
O corregedor geral da Justiça Eleitoral, Napoleão Nunes Maia Filho, saiu em defesa do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes. Em nota publicada no site do TSE, Maia Filho critica as declarações supostamente feitas pelo juiz Glaucenir de Oliveira, da Vara Criminal de Campos dos Goytacazes (RJ), que, por meio de uma mensagem enviada a outros juízes, pelo WhatsApp, teria sugerido que Gilmar Mendes aceitou dinheiro para conceder habeas corpus ao ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, na quarta-feira (20/12). Mendes já solicitou à Polícia Federal que investigue o caso.

Para o corregedor, Oliveira "investe de maneira solerte contra a dignidade e a honra do eminente Ministro Gilmar Ferreira Mendes, (...) imputando-lhe a conduta criminosa da prática de corrupção passiva". Por isso, continua Maia Filho, a corregedoria vai adotar "a medida adequada para inibir e reprimir esse procedimento".
 
"Não se pode tolerar, de modo algum, esse vilipêndio da honra pessoal do Presidente Gilmar Ferreira Mendes e, em absoluto, não se pode admitir que se desenvolva este nefasto clima de afoitezas ímpares, calcadas em sentimentos adversos ocultos, que somente deverão ser desvendados em tarefa de averiguação ulterior", escreve o corregedor.
 

Esta é a segunda reação de uma entidade jurídica às opiniões emitidas pelo juiz da cidade fluminense. Segundo o site Consultor Jurídico, a Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ), vai investigar as declarações atribuídas a Oliveira, responsável pelos processos que culminaram na prisão de Anthony e Rosinha Garotinho, acusados de participar de uma organização que cometeu os crimes de corrupção, concussão e falsidade na prestação das contas eleitorais. Rosinha também foi beneficiada por uma decisão de Gilmar Mendes, que no sábado (23/12), suspendeu medidas cautelares impostas à ex-governadora, como o uso de tornozeleira eletrônica.

O áudio atribuído a Glaucenir de Oliveira, que não negou a autoria da mensagem, começou a circular na internet no sábado, após a decisão de Mendes sobre Rosinha. Na mensagem, ele diria ter recebido informações de que "a mala foi alta", para livrar Garotinho. Também faz considerações pesadas sobre Mendes.
 
"O Gilmar não tem  mesmo vergonha na cara, infelizmente", diz em determinado momento. Ele agora parece que é o dono do poder. Mela o trabalho sério que a gente faz, com sarcasmo, com falta de vergonha", diz.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade