Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro esquece acordo com o Patriotas e filia-se a novo partido político

O pré-candidato à Presidência da República, esqueceu o acordo que tinha feito com o Patriotas (PEN), em 23 de novembro do ano passado


postado em 05/01/2018 19:44 / atualizado em 05/01/2018 20:12

O pré-candidato à Presidência da República, esqueceu o acordo que tinha feito com o Patriotas (PEN), em 23 de novembro do ano passado.(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
O pré-candidato à Presidência da República, esqueceu o acordo que tinha feito com o Patriotas (PEN), em 23 de novembro do ano passado. (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Após uma tarde de reuniões em Recife (PE), com o presidente do Partido Social Liberal (PSL), Luciano Bivar, o deputado federal e pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (RJ) esqueceu o acordo que tinha feito com o Patriotas (PEN), em 23 de novembro do ano passado, e assumiu novo compromisso com a sigla de filiação e candidatura.
 

O comunicado veio por meio de uma carta assinada por Bivar e pelo próprio Bolsonaro. "É com muito orgulho que o PSL recebe o deputado Jair Bolsonaro e sua pré-candidatura à Presidência da República. Outrossim, é com muita honra que o deputado se sente abrigado pela legenda, e muito à vontade em um partido onde existe total comunhão de pensamentos", destaca trecho do documento.

A reação à parceria foi imeadita. O movimento Livres, criado há dois anos, e associado ao PSL, divulgou nota de repúdio à filiação e afirmou que deixará o partido porque o grupo tem três diretrizes: liberdade, participação e transparência. "Bolsonaro é incompatível com o nosso projeto. Não aceitamos o que ele representa. Ele é a antítese das ideias de liberdade", comenta o diretor de comunicação do Livres, Mano Ferreira.

Preterido por Bolsonaro, o presidente do Patriotas, Adilson Barroso, explica que chegou ao limite em relação à quantidade de exigências feitas pelo deputado para tomar conta do partido. Segundo ele, Bolsonaro queria controlar a legenda em todas as unidades da Federação, o diretório nacional, a executiva. “Eu disse a eles, se vocês querem um partido, vão fundar um para vocês ou tomar de outro”, comentou. Entretanto, Barroso ainda deixará a vaga de candidato à Presidência da República guardarda para o deputado. “Ele vai dar umas voltas por aí, vai se arrepender e vai voltar. E eu, como no filho pródigo, vou perdoar e aceitá-lo de volta”, disse Adilson Barroso.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade