Publicidade

Correio Braziliense

Pulando de partidos desde 1988, Bolsonaro fecha com o nanico PSL

Pulando de um partido para outro desde 1988, deputado que aparece em segundo lugar nas pesquisas para o Planalto acerta parceria com a legenda comandada por integrantes do baixo clero na Câmara. A confirmação, porém, só deve ocorrer em março


postado em 06/01/2018 08:00 / atualizado em 06/01/2018 00:43

Bolsonaro: ida do parlamentar para o PSL afastou integrantes do movimento Livres, como a economista Elena Landau (foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil )
Bolsonaro: ida do parlamentar para o PSL afastou integrantes do movimento Livres, como a economista Elena Landau (foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil )


Segundo colocado em todas as pesquisas eleitorais para a Presidência da República, com cerca de 20% das intenções de votos, e com uma militância aguerrida, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP) — oficialmente ligado ao PSC — fechou parceria com o Partido Social Liberal (PSL) para concretizar o projeto de comandar o Palácio do Planalto a partir de 2019. O compromisso era com o Patriotas (PEN), mas, alegando falta de espaço na sigla, abriu brecha para contato com o PSL e anunciou o acordo ontem. O documento oficial será assinado durante a janela partidária, de 7 de março a 7 de abril.

Desde o início do ano passado, quando já anunciava que seria candidato à Presidência da República, Bolsonaro foi escanteado pelo PSC, partido que o abrigou em março de 2016, quando ele deixou o PP. Representantes da sigla afirmam que o deputado não representa a ideologia da legenda e lideranças não estavam dispostas a bancar o projeto presidencial. Desde então, ele vinha procurando um lugar que o abraçasse por inteiro — ser o personagem principal da legenda é uma das exigências de que não abre mão.

Depois de conversar com muitas siglas consideradas nanicas, entre elas o PSDC, de José Maria Eymael, e a que nem chegou a ser formada, Muda Brasil, assinou um compromisso de filiação com o Patriotas (PEN), em 23 de novembro do ano passado. O deputado alega que quem descumpriu o acordo foi o Patriotas. “Eles prometeram um jantar em um restaurante refinado e o levaram a um pé-sujo”, afirma um assessor. Um dos principais conflitos foi por causa do comando do diretório estadual de São Paulo. O deputado exige pessoas da sua confiança em unidades da Federação estratégicas como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Distrito Federal e Rio Grande do Sul. “Se for pra ser mais do mesmo, a gente não tem interesse”, acrescenta.

Leia as últimas notícias em Política


Já o presidente nacional do PEN, Adilson Barroso, conta que tinha entregado, praticamente, todo o partido ao grupo de Bolsonaro: a presidência, 23 diretórios estaduais, cinco vagas na executiva nacional. “Nada disso bastava. Eles queriam o partido inteiro.” Barroso explica que perdeu 11 deputados estaduais por causa dos conflitos e estava prestes a ficar ainda menor. E, por isso, os advogados de Bolsonaro reclamaram que a legenda estava enfraquecida e poderia não alcançar o coeficiente eleitoral nas urnas.

“Coloquei a mão na consciência e percebi o que estava fazendo. Eles estavam destruindo o nosso partido. Então, retomei tudo e disse, ‘agora você tem comigo 100% da candidatura’, que é o que prometi. Se eles querem um partido, que fundem um ou tomem de outro”, reclama o presidente do Patriotas. Ainda assim, Barroso afirma que deixará a vaga para disputar a Presidência aberta a Bolsonaro: “Ele vai dar umas voltas por aí, vai se arrepender e vai voltar. E eu, como filho pródigo, vou perdoar e aceitá-lo de volta”, projeta Adilson Barroso.

Crise


O namoro com o PSL foi muito celebrado pelo presidente da legenda, Luciano Bivar, que não teria demonstrado nenhum empecilho às exigências do político. Em carta divulgada à imprensa, no início da noite de ontem, Bivar ressaltou a parceria. “É com muito orgulho que o PSL recebe o deputado Jair Bolsonaro e sua pré-candidatura à Presidência da República. Outrossim, é com muita honra que o deputado se sente abrigado pela legenda, e muito à vontade em um partido onde existe total comunhão de pensamentos”, destaca trecho do documento.

Entretanto, a reação foi imediata. Ligado ao movimento Livres desde dezembro de 2015, o partido perdeu parte dos aliados. Liderado por um dos filhos de Luciano, Sérgio Bivar, o movimento estava no comando de 12 diretórios estaduais e trabalhava focado em três diretrizes, liberdade, participação e transparência. “A chegada do deputado Jair Bolsonaro, negociada à revelia dos nossos acordos, é inteiramente incompatível com o projeto do Livres de construir no Brasil uma força partidária moderna, transparente e limpa”, destaca trecho da nota de repúdio divulgada pelo movimento, que tem entre os integrantes a economista e ex-tucana Elena Landau, que foi diretora do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na época do governo Fernando Henrique Cardoso.


Migração partidária


Desde que ingressou na vida política, em 1988, o deputado federal Jair Bolsonaro já integrou sete partidos. Confira o histórico:

» 1988 a 1993: PDC

» 1993 a 1995: PPR

» 1995 a 2003: PPB

» 2003 a 2005: PTB

» 2005: PFL

» 2005 a 2016: PP

»  2016 à atualidade: PSC

» 2017: firmou compromisso com o Patriotas (PEN)

» 2018: PSL

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade